Curitibano, fã de cozinha e papai há 50 dias. Estamos falando do João Salgado, 30 anos, novo âncora do telejornal Bom Dia Paraná da RPC. O desafio do jornalista formado em Santa Catarina é de substituir o experiente Fernando Parracho, que deixou a emissora na semana passada para se dedicar a um projeto pessoal.  A decisão alterou completamente a rotina do agora apresentador que está se adaptando a alteração nos horários, sem deixar de lado as obrigações com a pequena Clarissa.

João Salgado nasceu na maternidade Santa Brígida, no bairro Água Verde, e estudou no colégio Santa Teresinha, bem próximo à praça do Japão. Aos 15 anos, mudou para Florianópolis (SC) devido ao trabalho da mãe e lá começou a carreira de jornalista. Se formou no Centro Universitário Estácio de Sá e o primeiro trabalho foi no SBT como produtor/ repórter e apresentador de um quadro de esportes. Na sequência, foi para a TV Bandeirantes e depois para a RBS, afiliada da TV Globo. Em agosto de 2016, recebeu convite da RPC para trabalhar como repórter e desde então, é figurinha carimbada na casa dos paranaenses. A experiência na apresentação em Santa Catarina colaborou nos momentos em que precisava a substituir os apresentadores da RPC nas folgas ou férias.

A Tribuna do Paraná conversou com o João Salgado sobre este desafio de comandar ao vivo o primeiro telejornal do dia ao lado da colega Claudia Celli, das alterações na rotina e até da saída do Parracho. “O Parracho sempre foi uma referência quando nem pensava em fazer jornalismo. É um super desafio, pois ele fez história e com o tempo as pessoas estarão habituadas com meu jeito. O processo da saída do Parracho foi muito bem conduzido e desta forma as pessoas entenderam.

João Salgado, Fernando Parracho, que deixou o jornalismo para um projeto pessoal, e Cláudia Celli. Foto: Wagned Arendt/RPC.

Tribuna – Em 2016, você chegou na RPC vindo de uma boa bagagem em Florianópolis quando já fazia reportagem, produção e apresentação. Como foi aquele início por aqui?

João Salgado –  Foi uma decisão acertada. São 4 anos e 4 meses de RPC e jamais poderia pensar que hoje estaria nesta atual posição. Lembro uma vez de uma entrada ao vivo na BR com um frio, um vento e eu acostumado com a praia.

Tribuna – Neste período de RPC, você trabalhou como repórter e apresentava telejornais em alguns momentos. Ficou surpreso com a notícia que você seria o substituto do Parracho?

João Salgado – Se as pessoas ficaram surpresas com a decisão do Parracho, imagina eu? O processo da saída dele foi muito bem conduzido, pois deixou claro que estava saindo da RPC por um projeto pessoal para ficar mais conectado com a natureza e desta forma as pessoas entenderam bem. Todos estão felizes: o Parracho, indo realizar um antigo sonho, e eu com a nova oportunidade.

Tribuna – Você carrega a responsabilidade de substituir um jornalista experiente. Como é isto?

João Salgado – Não é fácil, pois antes de ir para Santa Catarina eu já assistia o Parracho. Sempre uma referência quando eu nem pensava em fazer jornalismo. É um grande desafio, pois ele fez uma história muito legal. O que ajuda é que o público já conhece o João e não foi uma grande novidade assim.

Tribuna – A rotina mudou bastante e como está sendo a adaptação?

João Salgado – A rotina mudou de cabeça para baixo. Antes eu entrava na RPC próximo das 7h e agora chego às 4h na televisão. Acordo às 3h e já vou para a tv de terno e sapato. A equipe tem duas horas para preparar o conteúdo, revisar os materiais e verificar os assuntos da madrugada. Saio da emissora ali por 10h30. O sono é um companheiro fiel para o resto do dia e ainda estou na adaptação na hora de dormir. Antes eu dormia ali por 23h e agora tenho me esforçado a dormir ali por 21h. Tem a questão do bebê que é preciso ajudar também, uma fase de adaptação para todos lá em casa.

Tribuna – O ano está sendo complicado para todos, mas teve ótimas notícias para você. O nascimento da primeira filha e agora apresentador de telejornal. Um ano especial demais?

João Salgado –  Foi um ano maluco, mas posso dizer que nunca tive tanta realização profissional e pessoal em um só ano. A Clarissa nasceu no dia 15 de outubro e na mesma maternidade que eu. Ela chegou para encaminhar um novo rumo de vida e uma trajetória diferente.

Clarissa nasceu no dia 15 de outubro e na mesma maternidade que João Salgado. Foto: Arquivo Pessoal.

Tribuna – Parece que você gosta de jogar bola com os amigos. Tem outro hobby?

João Salgado –  Gosto mesmo de jogar bola, mas este ano não deu devido a pandemia. Curto cozinhar e fazer massas e arrisco em um risoto. Faço as coisas que tem em casa ou seleciono alguns pratos e vou atrás dos ingredientes. Não sou nenhum expert, mas a apetite em aprender e comer acaba sendo grande.