Ruas movimentadas, bares e restaurantes cheios de segunda a segunda. Essa era a realidade de Bérgamo, cidade localizada na região da Lombardia, na Itália, epicentro da pandemia do coronavírus no país. Nas últimas semanas, o barulho do trânsito deu lugar às sirenes das ambulâncias e as vias ficaram praticamente desertas.

Esse é o relato da curitibana Camila Schenkel, 31 anos, que mora em Bérgamo desde o início de 2018. “Moro no centro da cidade, então é trânsito movimentado praticamente toda hora. Agora, só o que escutamos são as ambulâncias mesmo. É muito triste”, disse.

De acordo com o último balanço da Defesa Civil, a região da Lombardia registrou 42.161 casos positivos do Covid-19. No total, foram 6.818 mortes. Nos últimos dias, imagens de caminhões militares com diversos corpos já haviam gerado uma enorme comoção em todo o mundo. Em toda a Itália, são mais de 11 mil mortes.

“Ninguém se preocupou com o coronavírus no começo por aqui. Ninguém deu bola. O Governo confirmava os casos, mas não tomava nenhuma medida. Depois que aumentou o número de mortes é que houve uma mudança no estilo de vida do povo daqui”, ressaltou Camila.

De acordo com a curitibana, os italianos de Bérgamo eram acostumados a frequentar restaurantes diariamente e a aglomeração de pessoas era algo comum. “Foi negligência total do povo no começo”, destacou.

“Bomba biológica”

No último dia 24, o prefeito de Bérgamo, Giorgio Gori, afirmou em suas redes sociais que o jogo entre Atalanta e Valência, realizado no dia 19 de fevereiro, válido pela Liga dos Campeões, serviu para o aumento do contágio na cidade. O confronto aconteceu em Milão, um dos municípios mais afetados pelo coronavírus.

“O jogo foi uma bomba biológica. Naquela época, não sabíamos o que estava acontecendo. O primeiro paciente na Itália surgiu em 23 de fevereiro. Se o vírus já estava em circulação, os 40 mil torcedores que foram ao San Siro (estádio) foram infectados. Ninguém sabia que o vírus estava circulando entre nós”, disse Gori.

O coronavírus pelo Mundo

A Tribuna do Paraná tem recebido relatos de amigos espalhados por todos os cantos do mundo. Já reunimos alguns deles nestes conteúdo (clique aqui para ver), mas hoje trazemos mais uma série de vídeos relatos sobre como cada país tem lidado com a pandemia, os cuidados tomados para evitar proliferação, e todos os detalhes de quem está vivendo e sentindo essa realidade na pele. Confira abaixo os relatos sobre o coronavírus em 7 países diferentes pelo mundo!

Pequim (China)

Nova York (Estados Unidos)

Carolina do Norte (Estados Unidos)

Barcelona (Espanha)

Évora (Portugal)

Gold Coast (Austrália)

Lima (Peru)

Crescentino (Itália)