A volta à bandeira vermelha em Curitiba até 9 de junho decretada pela prefeitura nesta sexta-feira (28) não vai atingir a retomada das aulas presenciais nas escolas. “A gente não tem restrição a escolas nos decretos do município. Tivemos uma única vez, na primeira bandeira vermelha. Até porque as escolas públicas estão fechadas de longa data. Temos acompanhado as escolas privadas, que estão abertas desde outubro, e não identificamos problemas”, disse a secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak.

LEIA MAIS

> Bandeira vermelha entra em vigor em Curitiba após colapso na saúde. Veja como vai ser!

> Curitiba vai abrir vacinação contra covid-19 de pessoas entre 59 e 18 anos sem comorbidades

> Márcia Huçulak desabafa sobre pandemia em Curitiba: “Queria estar muito longe daqui”

Na capital, as escolas particulares voltaram a receber alunos desde o fim do primeiro lockdown, em 4 de abril. Já na rede estadual apenas três escolas, todas profissionalizantes, retornaram as aulas particulares nessa semana na cidade. Por sua vez, a rede municipal de ensino segue sem aulas presenciais, só remotas. O prefeito Rafael Greca (DEM) defende que as aulas com a presença dos estudantes só voltem quando for concluída a vacinação de professores e profissionais da educação, cuja imunização está em andamento em todo o Paraná.

Nesta semana, a rede estadual de ensino reabriu mais 627 escolas. Agora, são 827 colégios com a presença de estudantes – em 10 de maio, outras 200 já haviam sido abertas. A previsão é de que mais 800 sejam reabertas dia 7 de junho, porém, a retomada vai depender o quadro da pandemia.