A invasão do prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR) na Praça Santos Andrade, em Curitiba, deve acabar neste sábado (5). Segundo o reitor da universidade, professor Zaki Akel Sobrinho, os estudantes que participam do movimento aceitaram, em negociação com a direção na tarde desta sexta-feira (4), deixar as instalações no fim de semana. “Eles nos apresentaram as condições deles e agora devem comunicar a imprensa para apresentar a decisão de que aceitaram nossa proposta”, afirma.

Conforme o reitor, uma das condições dos estudantes para a saída do prédio é a não criminalização dos participantes na mobilização. “Nós aceitamos porque entendemos que eles foram movidos pelo contexto do que estava acontecendo nas universidades”, completa.

Após a desocupação do local, a UFPR deve providenciar uma inspeção da estrutura.

Em nota, a UFPR informou que a liberação do espaço se dará ao longo do dia, sem precisar um horário. “Desta forma, o diálogo, a negociação democrática e o respeito institucional, formas sempre adotadas por esta gestão, mais uma vez se fizeram vencedores, contra a intolerância, a violência e a intimidação”, diz o texto.

As pessoas que invadiram a UFPR informaram que concederão uma entrevista no sábado (5), mas não determinaram um horário.

Protesto MBL

Por volta de 20h45, um grupo de manifestantes do Movimento Brasil Livre (MBL) começou a falar em frente ao campus da universidade. Houve uma discussão entre integrantes do movimento e alunos, mas durou pouco tempo. Havia cerca de 30 pessoas do MBL, com um carro de som. Há entre 200 e 300 pessoas que são simpáticas ao movimento de ocupação de escolas e universidades públicas que estão na praça. Enquanto a reportagem esteve na praça, não houve atos de violência entre os grupos, apenas discussões pontuais.

*Por Antoniele Luciano, especial para a Gazeta do Povo, e Raphael Marchiori