Aguardado pela criançada, o Dia das Crianças é uma das datas de maior sucesso para o comércio em geral. Para este ano, a Associação Comercial do Paraná (ACP) tem a expectativa de aquecimento nas vendas, mas nem por isso deixa de sugerir algumas boas práticas para que você economize na hora de comprar o presente. Em parceria com a Boa Vista SCPC, ela oferece uma série de dicas para que o orçamento não sofra com eventuais excessos.

+ Importante: Investir no futuro é o melhor presente

Desejos dos filhos

O consumidor deve saber o que a criança quer. O indicado é conversar com ela e, caso o desejo seja algo impossível para o bolso, tentar explicar para ela as condições financeiras da família. Uma boa dica é perguntar à criança se há outros brinquedos que ele desejaria ganhar e checar qual deles se encaixa no orçamento do mês.

Pesquisa de preços

Sabendo o que vai comprar, é hora do consumidor fazer uma pesquisa de preços em lojas físicas e online. O preço pode mudar muito de uma loja para outra e a pesquisa pode ajudar a economizar na hora da compra. Na compra online é possível encontrar preços menores, mas há o custo do frete, por isso o consumidor deve verificar se compensa ou não. Ainda sobre compra online, é fundamental comprar com antecedência e verificar se a loja irá entregar o presente antes do Dia das Crianças.

Saber quanto pode gastar

Esta regra deve ser cumprida fielmente para não estourar o orçamento. Se o consumidor não determinar o valor que quer gastar poderá se deixar levar por adquirir algo mais caro. Se for pagar em dinheiro, é bom o consumidor sair de casa com o valor estabelecido. Se preferir usar o cartão de débito ou de crédito, é importante ter em mente que não se deve gastar além do que se pode.

+ Leia também: Maju Coutinho estreia nesta segunda no ‘Jornal Hoje’, que também terá novo cenário

Não deixar para última hora

Não deixar para comprar o presente na semana do Dia das Crianças é bastante importante. Do contrário, talvez o consumidor já não encontre o que deseja, e é comum os preços dos brinquedos subirem nos dias que antecedem a data.

Não leve a criança na compra

Mesmo que ela já tenha escolhido o que quer ganhar, comprar o presente do Dia das Crianças sem ela por perto é uma opção melhor. Levando a criança, a pesquisa de preços pode ficar comprometida, já que pode pedir um presente mais caro, e os pais podem acabar cedendo.

Custos adicionais

Não se deve esquecer que alguns brinquedos têm um custo adicional. Por exemplo: um item que só funciona com pilhas ou baterias, que também deverão ser compradas. Ou um videogame, que necessariamente precisará ter o jogo. De novo, o consumidor deve ter cuidado com o orçamento. Estes custos extras devem compor o valor determinado para a compra do presente.

+ Leia também: Circo Portugal Internacional volta a Curitiba depois de 15 anos

Pagando o presente

Na hora de pagar, o consumidor deve pedir desconto, principalmente se o pagamento for à vista. Se a opção for o parcelamento, é preciso ter a certeza de que os valores mensais não irão fazer falta no orçamento doméstico e lembrar-se de que o fim do ano está chegando, e os gastos deverão ser maiores com as festas, presentes e férias.

Não compre brinquedos piratas

Eles são muito mais baratos que os que têm selo do Inmetro, mas podem comprometer a segurança e a saúde da criança. Muitos são produzidos até mesmo com matéria-prima tóxica.

Diversão

Se no momento o consumidor não tem condições financeiras para comprar um presente, é válido explicar a situação financeira da família para a criança. Se for possível, uma boa alternativa é combinar que a data pode ser comemorada com um passeio gratuito no parque, uma sessão de cinema, uma visita a um museu, um piquenique, etc.

Para ler outras dicas de Educação Financeira acesse: www.consumidorpositivo.com.br.