A insatisfação com o cancelamento de corridas aumentou entre os usuários de aplicativos de carona nos últimos meses. Um dos motivos é a alta no preço do combustível, pois em algumas viagens, o motorista está tendo prejuízo em encontrar o passageiro e levá-lo ao destino. Aliás, quem costuma pedir em supermercados de Curitiba, tem percebido a dificuldade para conseguir embarcar em um carro.

Nas redes sociais, não é difícil encontrar reclamações de pessoas do Brasil inteiro sobre o tema. Para entender as razões que estão levando os motoristas a cancelarem algumas viagens, basta entrar em um veículo e iniciar a conversa. O assunto é encarado com naturalidade, pois a escalada do preço nas bombas reflete no dia a dia de todos. Apenas em 2021, a gasolina subiu em 51%, e na capital paranaense, em média, o litro da gasolina é comercializado a R$ 5,69.

LEIA TAMBÉM:

> Leilão da Receita Federal tem HB20, Audi, Saveiro além de pneus, eletrônicos e muito mais

> Vocalista da banda Garotos de Ouro morre em grave acidente com ônibus da banda em SC

Curitiba lidera com a maior inflação entre as capitais, com mais de 12%; saiba o que puxou a alta

Jeferson Garcia, 38 anos, relata que infelizmente é preciso analisar todas as questões para iniciar uma corrida. Segurança, horário, trânsito e o valor do combustível precisa ser colocado na ponta do lápis para não sair no prejuízo ao fim do dia. “Dependendo da distância, o motorista evita a corrida, pois não compensa. Vou dar um exemplo para você. Saio para pegar o usuário em uma distância de 3 km e a viagem dele é de 2 km. É prejuízo na certa, pois tenho todo um custo que ninguém olha”, disse Jeferson que está há cinco meses no aplicativo e gasta em média R$ 100 por dia em postos de combustível.

Nas conversas que a reportagem da Tribuna do Paraná teve com seis motoristas, tanto da Uber como da 99, percebeu-se uma insatisfação quando o pedido ocorre em supermercados. Um dos condutores que pediu para não ter o nome publicado, relatou que a pessoas costumam ir a pé para fazer compras e na volta para casa, com as sacolas pesadas, faz o pedido pelo aplicativo. “É um problema que temos que enfrentar, pois em alguns casos a viagem é bem curta e temos que carregar as compras para dentro da casa. Nesse período perdemos boas corridas e se recusarmos de ajudar o usuário, recebemos nota baixa que prejudica no desempenho”, desabafou um motorista.

Punição ao motorista

A Uber e a 99, principais aplicativos de carona no Brasil tem políticas semelhantes para punir os motoristas que costumam cancelar seguidamente as viagens. Segundo Paulo Sérgio de Lima, 38 anos, representante dos motoristas cadastrados nas plataformas, existe uma taxa de aceitação que não pode ser inferior a 50% no domingo à noite. “Existe a punição ao motorista que pode chegar a expulsão. Se estiver abaixo de 50% no domingo, na segunda-feira não consegue trabalhar. Se permanecer por 3 semanas consecutivas, o motorista é suspenso por 3 dias, depois 7 e pode ser expulso do aplicativo caso venha a ficar com a taxa de aceitação baixa”, comentou Paulo Sérgio.

Em nota, a Uber reforçou que motoristas parceiros são profissionais independentes e, assim como os usuários, podem cancelar viagens quando julgarem necessário. “Cancelamentos injustificados muito excessivos, reiterados ou para fins de fraude, configuram violação ao Código da Comunidade e aos Termos de Uso pois atrapalham o bom funcionamento da plataforma e prejudicam a experiência dos demais motoristas e usuários. Temos equipes e tecnologias próprias que revisam constantemente as viagens e cancelamentos para identificar suspeitas de violação e, caso sejam comprovadas, banir as contas envolvidas”, respondeu a plataforma Uber que ainda reforçou a existência de programas de vantagens, nas quais o motorista ganha até 20% de cashback no abastecimento do seu carro nos postos Ipiranga.

Já a 99, também ressalta que os condutores são livres para escolher sua jornada de trabalho e corridas, mas há um limite de cancelamos sem ônus. 

Reajuste de ganhos

As plataformas prometem melhorar a taxa repassada aos motoristas, sem aumentar o preço ao usuário. A 99 esclarece que reajustou os ganhos dos motoristas parceiros, levando em consideração o impacto negativo do aumento dos combustíveis sobre a categoria. A ação foi adotada de maneira escalonada em 20 regiões metropolitanas de todo o país após milhares de testes e análises.

“O objetivo é manter o equilíbrio da plataforma, possibilitando que a população também continue tendo acesso a um meio de transporte financeiramente viável, seguro e eficiente. Os estudos continuam e os reajustes de ganho para os motoristas devem seguir expandindo para outras cidades nos próximos meses. É importante destacar que o reajuste do repasse aos motoristas parceiros, entre 10 a 25%, será subsidiado pela 99”, diz a nota.

Sobre o reajuste ao motorista, a Uber informou que estuda para Curitiba e Região Metropolitana uma melhor valorização nos próximos dias entre reajuste nas corridas de 10% a 25%.

Web Stories

Gigante!!

Nova Havan será quatro vezes maior que a loja que será abandonada em Curitiba

Você sabia?

Cinco curiosidades sobre Curitiba que nem o curitibano raiz vai saber dizer!

Malhação Sonhos

Nat impede que Duca enfrente Lobão

Lindas!

Cinco árvores exóticas e raras de Curitiba