O desabafo de uma diretora de uma escola particular de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, para a reportagem da Tribuna preocupa. Segundo ela, muitas crianças estão esquecendo como se escreve o próprio nome em virtude de terem apenas aulas remotas. Por causa desta situação preocupante, que vai muito além da defasagem no aprendizado, passando por abusos, entre outros problemas de crianças sozinhas ou com “cuidadores” em casa, pais de alunos da Escola Semeando o Futuro farão, nesta quinta-feira (25), uma manifestação com um pedido a volta às aulas presenciais na cidade. Eles farão o protesto em frente à Câmara Municipal do município. Segundo a direção do colégio, pais estão sendo impossibilitados de trabalhar para que fiquem com seus filhos e o ensino estaria sendo prejudicado somente com as aulas pela internet.

+Leia mais! Hospital de Clínicas ativa novos leitos contra covid-19 após doações de associação

A Semeando o Futuro é uma instituição particular e atende atualmente 60 alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental (crianças de 4 meses a 10 anos). Em virtude dos decretos estadual e municipal, que proíbem as aulas presenciais, a escola segue com as atividades remotas apesar de ser considerada atividade essencial. Por ser uma instituição particular, a escola esteve aberta para alguns estudantes que tiveram a liberação dos pais por apenas um mês neste ano.

Neste reencontro, a direção percebeu uma dificuldade dos alunos na adaptação à aula presencial. E pior, notou que algumas crianças regrediram com o ensino à distância. Desiree Hudson, 48 anos, diretora da escola, afirma que teve caso de estudante esquecer de como escreve o próprio nome.

+Leia mais! Pesquisa em escolas particulares no Paraná aponta que 70% das famílias querem manter as aulas

“No início da pandemia era bacana, mas depois ficou cansativo. Elas regrediram bastante longe da escola, é de chorar a situação de algumas crianças. Algumas não estão sabendo mais escrever o próprio nome e fazer contas. A turma da 5ª série está com dificuldade de fazer a tabuada. Foi chocante deparar com tamanha dificuldade no que tinham aprendido anteriormente. Tem mãe implorando para que a gente volte com os conteúdos quando retornar as aulas. Além disso, crianças estão sofrendo de ansiedade e síndrome do pânico”, contou Desiree.

Abusos e babá embriagada

Na entrevista para a Tribuna do Paraná, a diretora relatou que os pais estão desesperados por situações que ocorreram dentro de casa enquanto estavam trabalhando. Casos de possíveis abusos sexuais por parte de conhecidos das crianças foram comunicados para autoridades policiais de São José dos Pinhais que apuram as denúncias. Além disso, uma babá teria ido para uma residência embriagada para cuidar de um aluno.

“Tem relatos de mães que contrataram babás para ficarem com os filhos, mas a babá chegava bêbada na casa da pessoa. Esta mãe chegou na minha casa chorando e como não vou atender este pedido de socorro? Como ficaria se soubesse se um aluno tivesse sofrido algo dentro de casa? É um grande problema que estamos enfrentando, desabafou a diretora.