A delegacia de Fazenda Rio Grande tenta descobrir o que motivou a morte de Adélio de Jesus Becker, 52 anos, e Geisa Marques Silva, 38, na madrugada de domingo, em Mandirituba.

Adélio foi preso algumas vezes, suspeito de manter desmanches ilegais de carros, e também foi investigado pela CPI Nacional do Narcotráfico, em fevereiro de 2000. Em 2009, ele foi preso por corrupção ativa e respondia ainda por crimes de receptação. Geisa nunca foi presa, e ainda não se sabe qual é a relação dela com Adélio.

“Recebemos informação que ele foi cobrar uma dívida em Agudos do Sul e voltava para casa, no Bacacheri, com Geisa. Quem atirou ou estava no carro, ou cercou o veículo com uma ou duas motos”, explica Valdir Ferreira, superintendente da delegacia. Esta versão será investigada e, caso se confirme, o devedor será ouvido pela polícia.

Acidente

A Polícia Rodoviária Estadual foi informada da morte do casal por caminhoneiros que viram o veículo em que as vítimas estavam, no acostamento da PR-419. O carro tinha batido batido contra um barranco. Apenas com a chegada do Instituto de Criminalística foi possível constatar que não se tratava de acidente, mas sim de duplo homicídio.