A Campanha para a produção da “Vacina anti-covid da UFPR” completou quatro meses de arrecadação para o desenvolvimento de uma vacina 100% nacional contra o coronavírus e outras doenças. Até o momento, foram arrecadados mais R$ 1,5 milhão. Desse total, R$ 182 mil foram obtidos por meio de 1200 doações, sendo R$ 85 mil de um repasse realizado no final de outubro pelo Ministério Público do Trabalho no Paraná (MPT-PR).

Com os recursos disponibilizados, foi possível a contratação de dois bolsistas de doutorado e um de mestrado, que aumentaram a força de trabalho disponível para os estudos. “São profissionais altamente qualificados, que já têm conhecimento do trabalho em laboratórios e experiência em pesquisas na área”, relatou o professor Emanuel Maltempi de Souza, coordenador do estudo sobre a vacina da UFPR. Além disso, o valor recebido foi utilizado também para a compra dos insumos necessários para os experimentos.

+ Veja também: Saiba quanto vai custar o pedágio entre Curitiba e o litoral após novas concessões

A equipe responsável pelo desenvolvimento da vacina estima que sejam necessários R$ 76 milhões para a conclusão do programa, que envolve a aquisição de insumos, de infraestrutura e o pagamento de pessoal.

Uma possível parceria está sendo formalizada com o Governo do Estado do Paraná, que disponibilizará em breve R$ 18 milhões para infraestrutura vinculada ao Programa de Imunizantes da UFPR.

Vacina está na última etapa antes da fase clínica

No momento em fase pré-clínica, em que ainda não são realizados testes com humanos, o método tem mostrado potencial. Camundongos que receberam doses do imunizante produziram uma quantidade de anticorpos superior ao que o composto de Oxford/AstraZeneca em experimentos realizados no fim do ano passado.

+ Veja também: “Vou receber o Auxílio Brasil?” Consulta ao benefício sai nos próximos dias

A última etapa que falta para começar os experimentos com humanos é o ensaio de neutralização, que confirmará se esses anticorpos realmente neutralizam a entrada do vírus no organismo. Como o laboratório da UFPR é classificado com nível de biossegurança 2, e a manipulação do novo coronavírus só pode ser feita em unidades com nível 3, os pesquisadores têm duas alternativas para realizar os experimentos. O primeiro é buscar um laboratório parceiro com a classificação que permite o trabalho ou utilizar um pseudovírus, ou seja, uma “versão” do novo coronavírus incapaz de se replicar e que, por esse motivo, pode ser manipulada em laboratórios com nível de segurança 2.

Como doar?

As doações podem ser realizadas por pessoas e por empresas. É possível doar qualquer valor, por depósito, transferência bancária para a conta da campanha ou usando chave Pix.

Os valores da campanha se somarão aos financiamentos já obtidos via Rede Vírus, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), a recursos próprios da UFPR.

Doações de qualquer valor para:

Banco Itaú (341)
Agência: 4012
Conta Corrente: 43701-0

CNPJ Funpar – 78.350.188.0001-95

Chave PIX –  3904-0043701-0@funpar.ufpr.br