A polícia descobriu que a morte de dois homens ao lado de um carro carbonizado, em Campo Magro, no dia 3 deste mês, pode ter sido uma queima de arquivo.

Mickael José Gomes de Lima, 25 anos, e Emerson Pereira, 30, foram encontrados mortos com tiros no peito e na cabeça, no início da Trilha das Poças, no bairro Campo Novo. Perto dos corpos estava a Pajero placa HSC-1002, de Emerson, que foi completamente queimada pelos assassinos.

O delegado Erineu Portes, titular da delegacia de Colombo e que também responde pela delegacia de Campo Magro, acredita que os dois faziam parte de uma quadrilha de desvio de cargas. “No dia do crime, Emerson buscou Mickael em casa e os dois disseram para a família que logo voltariam, mas provavelmente seguiram para uma tocaia armada por comparsas da quadrilha”, explicou o delegado.

Dias antes, um integrante do bando morreu e outro foi baleado em confronto com a polícia. Emerson estava por perto e teria ido ao Hospital do Trabalhador para buscar o colega, mas encontrou a polícia, que já mantinha ele sob escolta, e decidiu voltar. Este comparsa foi encaminhado à Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV).

“Os integrantes da quadrilha provavelmente culparam Emerson pela morte do colega deles, e planejaram o crime”, conta Portes. Ainda não há pistas sobre os assassinos. O preso, que não teve o nome divulgado, se recusou a repassar informações sobre o resto da quadrilha.