Desde as 7h desta segunda-feira (29), um efetivo grande da Polícia Militar (PM) está cercando o Palácio Iguaçu e o prédio da Assembleia Legislativa do Paraná, no Centro Cívico, em Curitiba. O grande esquema de segurança é por causa da manifestação de servidores públicos, sobretudo professores, que ocorre nesta manhã, pedindo reajuste salarial e lembrando a Batalha de 29 de abril. Os manifestantes saíram em caminhada da Praça Santos de Andrade, no Centro, em direção ao Palácio Iguaçu, bloqueando o trânsito nas ruas da região.

+Leia mais: Professores relembram ‘confrontos’ com a polícia em mais uma manifestação de 29 de abril

O ato ocorre na data que marca os quatro anos da repressão violenta da PM contra professores e outros servidores em 2015, no governo de Beto Richa, que deixou 213 feridos. A Polícia Militar não informa qual o efetivo mobilizado no Centro Cívico. Dentro do esquema de segurança, ruas também serão bloqueadas no entorno do Palácio Iguaçu e da Assembleia.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

O presidente da APP Sindicato, entidade que representa os professores estaduais e que organiza a manifestação, Hermes Silva Leão, diz que é preocupante ver um efetivo alto para o evento. “A manifestação é pacífica, o governo deve garantir a segurança dos que participam, mas não há necessidade de efetivo tão extenso assim. Ficamos preocupados, pois recordamos do que aconteceu em 2015”, argumenta Leão.

+Caçadores! Está sem todos os documentos pro Imposto de Renda 2019? Contador tem uma dica das boas!

A manifestação tem concentração marcada na Praça Santos de Andrade. Às 9h, os servidores saem em caminhada até o Palácio Iguaçu, onde devem chegar as 10h30. O ato passará pelas ruas Marechal Deodoro, Marechal Floriano Peixoto, contorna a Praça Tiradentes, chegando a Barão do Serro Azul e Cândido de Abreu.

As 11h acontecerá uma reunião entre os líderes da manifestação e do governo do estado, sobre o reajuste salarial das categorias, que está congelado há três anos.  A APP Sindicato recomendou que não acontecessem aulas nos colégios da rede estadual de educação.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Fiscal tenta evitar invasão de fura-catracas e acaba esfaqueado em Curitiba