Na madrugada deste sábado (23), na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), uma mulher foi agredida durante procedimentos da Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu). O caso aconteceu durante uma abordagem da Polícia Militar, na rua Raul Pompéia, para fiscalização e combate de aglomerações e foi filmado por pessoas presentes no local.

A confusão começou após o fechamento de uma hamburgueria da região, por conta do descumprimento de normas sanitárias estabelecidas para o controle da pandemia da covid-19 em Curitiba. Os policiais abordaram um rapaz por desacato. Ele seria entregador do estabelecimento, segundo a PM. Em um vídeo, feito pela dona da lanchonete, imagens mostram o homem sendo arrastado e jogado no chão durante a abordagem. Nesse momento, a mulher reclama com os PMs e parece ser agredida.

Veja o vídeo enviado à rerportagem pelo advogado da mulher

“Vocês passaram dos limites! Ridículos”, exclama Estephany Rodrigues, enquanto grava a cena. Porém, ao se aproximar dos policiais, a mulher tem o celular derrubado no chão. Durante a discussão, Estephany também é derrubada e começam as agressões.

Imobilizada, o vídeo mostra a mulher recebendo golpes no rosto e o joelho do policial sobre o rosto dela. Com gritos e choro, Stephany sinalizou a violência: “Ele tá quebrando minha mão”. Em outro vídeo, publicado nas redes sociais, Estephany aparece no hospital, com sangramentos no rosto.

Segundo o capitão da Polícia Militar e coordenador da Aifu, Ronaldo Carlos Goulart, que aparece nas gravações, a força utilizada foi a necessária. “A questão é a maneira que ela estava se comportando. Uma pessoa totalmente desequilibrada, transtornada, reagindo, ela precisa que a força seja feita para conter, e a força é feita a medida do necessário”, disse ao jornal Meio Dia Paraná, da RPC.

+ Leia mais: Curitiba terá no domingo a primeira corrida de rua na pandemia

Ainda segundo o capitão, quem define o quanto de força vai ser exercido para a contenção é a pessoa que está reagindo, independente se é homem ou mulher. “A partir do momento que reage à prisão, que desacata, desrespeita, se debate, que fica em uma posição totalmente transtornada, vai precisar do uso da força. E, no caso, verifica-se que foi a força necessária para conter a ação”, completou.

+ Veja também: Vídeo gravado por um Guarda Municipal mostra o clima de tensão durante uma fiscalização em um bar no Batel, em fevereiro

A defesa de Estephany, em nota, julgou a ação excessiva. O advogado Igor José Ogar, que defende a vítima, disse que a ação de alguns policiais militares, principalmente a do PM que utilizou um objeto para bater no rosto da moça, “foi uma ação covarde e totalmente desproporcional”.

Em nota, a defesa defendeu que os PMs que participaram da ação sejam “retirados das ruas e das funções imediatamente”. E que buscará a reprimenda de todos os maus policiais, “minoria que envergonha de asa classe de heróis”, diz o texto.

E aí, PM?

Procurada, a Polícia Militar emitiu nota informando que a ação policial se deu na Rua Raul Pompeia (que é conhecido pelas grandes aglomerações, consumo de drogas e perturbação), devido às inúmeras denúncias e chamados por perturbação do sossego e da tranquilidade feitos por moradores daquela rua há algum tempo. “Muitas destas reclamações, inclusive, foram veiculadas pela imprensa nas últimas semanas. A Operação de sexta-feira (22) para sábado resultou em 14 encaminhamentos, veículos irregulares recolhidos, dispersão de dezenas de pessoas, multas a estabelecimentos e veículos irregulares e, principalmente, mais tranquilidade à população de bem que reside naquele região”, diz o texto da PM.

Ainda segundo a nota, a PM vai apurar as circunstâncias do fato “isolado” citado na reportagem. “No entanto vale ressaltar que, conforme consta em boletim de ocorrência, o policial militar foi  agredido e, por isso, precisou usar de força gradativa para conter a mulher, que, inclusive, tentou impedir o encaminhamento de outra pessoa durante a ação policial”, diz a PM.

De acordo com a PM, as ações de fiscalização devem continuar. E a polícia pede “a quem sentiu-se ofendido pela ação policial para que procure a Corregedoria da Polícia Militar, canal oficial para registro de informações envolvendo policias militares, para formalizar o relato e levar o que tenha de informações para a apuração do fato. Caso a pessoa prefira, pode se dirigir a qualquer quartel da Polícia Militar para isso”, finaliza a nota.

Leia a nota da defesa da mulher na íntegra

“O advogado Igor José Ogar, que defende a vítima Estephany, proprietária da hamburgueria que foi objeto de fiscalização de rotina, vem a público esclarecer que a ação de alguns Policiais Militares, principalmente a do PM que utilizou um objeto para bater no rosto da moça, foi uma ação covarde e totalmente desproporcional.

A própria PM repudia a ação desses maus policiais, minoria na respeitosa corporação, tanto que não são todos os PMs que aparecem no vídeo, que colaboram com a agressão desta vítima. Esses PMs não têm o menor preparo psicológico nem profissional, devem ser retirados das ruas e das funções imediatamente.

O que mais choca a sociedade, é um capitão que deveria comandar a operação, reprimir tal barbárie por parte de agentes públicos tem o despautério e a desfaçatez de afirmar que a boina é leve e não deixa lesão (aproveitando a conduta agressiva).

Faço a seguinte indagação, bater com um chinelo de dedo na cara dele, ou algo assim é permitido? O chinelo é tão leve quanto uma boina ou uma cinta. A vítima tem 1 metro e 59 de altura, saiu inteiramente lesionada. Se esses policiais fizeram isso com uma empresária, que paga seus impostos, tendo toda a ação filmada, imagina o que não fariam com pessoas de menor poder aquisitivo que são abordadas em locais ermos, sem nenhum celular ou testemunhas para filmar?

Buscaremos a reprimenda de todos os maus policiais, minoria que envergonha de asa classe de heróis”.

Pantanal

Zuleica está preocupada com Marcelo

Instagramáveis

Saiba onde encontrar as lindas cerejeiras em Curitiba

Novidades da Netflix

Volume 2 de Stranger Things 4 e mais séries e filmes chegam nesta semana

Além da Ilusão

Joaquim termina seu noivado com Isadora