O advogado Nori Seto (Progressistas), 43 anos, encerra seu mandato de presidente da Associação Cultural e Beneficente Nipo-Brasileira de Curitiba (Nikkei Curitiba) ao fim deste ano. Deixa a função para assumir o cargo de vereador da capital paranaense, após ser eleito, no último dia 15, como representante de uma comunidade que participa da história da cidade desde o início do século 20.

+Leia mais! Polêmicas, pichação, mestrado e carreira. Conheça o vereador eleito Renato Freitas

O advogado é filho do ilustrador e artista plástico Claudio Seto, considerado o introdutor do estilo mangá no Brasil, além de idealizador dos festivais anuais Haru e Imin Matsuri, que celebram a chegada da primavera e a imigração japonesa ao Brasil, respectivamente. Falecido em 2008, Claudio também foi vereador, na década de 1970, porém da cidade de Guaiçara, no interior de São Paulo. Após se mudar para Curitiba, trabalhou com ilustrações, tiras e charges nos jornais Correio de Notícias, O Estado do Paraná e Tribuna do Paraná e fundou o Jornal Nikkei, voltado à comunidade nipo-brasileira.

Nori Seto é filho de Claudio Seto, que trabalhou por anos como ilustrador dos jornais O Estado do Paraná e Tribuna do Paraná. Foto: Arquivo/Aliocha Maurício/Tribuna do Paraná.

“Meu interesse pela política surgiu justamente em razão dele”, conta o vereador eleito, que, ainda criança, queria entender o conteúdo das charges políticas que seu pai publicava com referências a figuras públicas. “Ele sempre falava da importância da participação política. Chegamos a montar comitês para apoiar candidatos”, lembra.

Na adolescência, entrou para o movimento estudantil, participando de congressos da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de Curitiba (Umesc) e da União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (Upes). “Percorríamos colégios da cidade para convidar os alunos a participarem dos movimentos”, recorda.

+Leia mais! Vereador eleito por Curitiba quer atender população como faz em seu comércio

Morador do São Braz, onde vive desde os dois anos de idade, participava no início dos anos 2000 das gincanas do Clube Três Marias – foi o fundador da Equipe Wolfpack. Além do caráter recreativo, as atividades tinham um aspecto social, o que permitiu a Seto percorrer comunidades por toda a cidade e organizar campanhas de doação a entidades assistenciais. Os eventos foram encerrados, mas os projetos sociais continuaram com um grupo de amigos.

Em 2008, após a morte do pai, Seto e suas irmãs Sayuri e Mayumi, assumiram o Jornal Nikkei, que acabou encerrado alguns anos depois. Foi ainda vice-presidente de Marketing e Expansão do Nikkei Curitiba, antes de assumir a presidência da associação, em 2019. É ainda vice-presidente da Aliança Cultural Brasil-Japão do Paraná, representante regional da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Bunkyo) e diretor de relações públicas do Templo Nyorenji.

+Leia mais! Conheça Salles do Fazendinha, vereador eleito com menos votos em Curitiba

Formado em direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), com pós-graduação em direito aplicado pela Escola da Magistratura do Paraná, atuou como advogado em ações em defesa da cidadania e dos direitos dos consumidores, especialmente de recuperação de perdas com os planos Bresser, Verão e Collor II.

Nori Seto ficou na suplência em 2016, na primeira campanha

Em 2016, foi candidato a vereador pela primeira vez, pelo PSB. Obteve 2.948 votos, ficando na segunda suplência da coligação que elegeu o prefeito Rafael Greca (DEM). Casado e pai de duas filhas – Akemy e Hiromi –, conta que foi incentivado pela família na nova empreitada.

Em 2020, migrou para o Progressistas a convite de Raphael Keiji, administrador regional da Cidade Industrial de Curitiba (CIC), também em razão do alinhamento com a atual gestão. Com 4.085 votos, obteve a segunda cadeira do partido para a próxima legislatura.

+Leia mais! Mãe, policial e inimiga da pedofilia. Conheça a vereadora Tânia Guerreiro

Para a eleição, inscreveu-se na segunda turma do curso RenovaBR Cidades, que busca formar lideranças políticas no país por meio de uma qualificação dita apartidária. Eleito, tem uma segunda etapa da qualificação pela frente, voltada àqueles que se saíram vitoriosos na disputa eleitoral.

+Eleitos! Advogada e ex-agente da PF “ligada às causas das pessoas”. Conheça a vereadora eleita Flávia Francischini

Seto é o primeiro vereador representante da comunidade nipo-brasileira eleito diretamente desde as eleições de 2004, quando Rui Hara (PSDB) foi o quarto candidato mais votado ao cargo – em 2011, Jorge Yamawaki (PSDB) assumiu mandato tampão de cerca de um ano e meio, após ficar na suplência. Nessa condição, quer fazer a ponte com o governo japonês para parcerias nas áreas educacional, cultural, científica e empresarial, buscando trazer investimentos para a cidade, com o propósito principal de geração de emprego e renda.

Entre as áreas que considera prioritárias para seu mandato estão a valorização dos profissionais de educação; o incentivo à cultura e ao esporte, que considera terem sido atividades das mais prejudicadas com a pandemia do novo coronavírus; a redução da burocracia para a abertura de pequenos negócios; e uma maior atenção à saúde mental por parte do município.