A ocupação de leitos de UTI exclusivos para tratamento da covid-19 chegou a 85% nesta terça-feira (16), um aumento de 10% em relação ao boletim do dia anterior. O crescimento dos casos assustou a epidemiologista Marion Burguer, que na transmissão da atualização dos dados neste terça-feira (16) decretou: “É urgente que a população as tome (medidas de prevenção), porque senão, em duas semanas nós não teremos mais leitos para internamento”.

LEIA MAIS – Peguei covid-19 e agora? Veja o guia de isolamento social pros infectados em Curitiba

De acordo com os dados da SMS, o número de casos confirmados de covid-19 na capital cresceu cinco vezes, em comparação com os números do final de maio. Entre 11 de março (primeiros casos confirmados na capital) e 28 de maio, foram 14 confirmações diárias, em média. Com os números desta terça, a média registrada passou para 67 casos por dia, quase cinco vezes mais.

O diretor do Centro de Epidemiologia da SMS, Alcides Oliveira, explica que esse aumento tem influência direta na ocupação de leitos hospitalares e nas mortes por covid-19. “Quanto mais doentes, maior a pressão sobre a rede de saúde. E a nossa missão é evitar o máximo possível que as pessoas morram.”

LEIA TAMBÉM – Paraná tem a terceira pior taxa de transmissão de coronavírus do país

Curitiba está com a bandeira laranja (nível de alerta médio), numa escala de três níveis que inclui também o amarelo (alerta) e o vermelho (alerta máximo). Esse cenário, criado pelo decreto 774/20, aumentou as restrições para alguns setores geradores de aglomeração de pessoas, com alto índice de propagação do coronavírus.

Apelo à população

A secretária da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, voltou a fazer um apelo para os curitibanos. “A população precisa ajudar a baixar o movimento na cidade. Apesar do decreto, não houve mudança nenhuma”, disse à RPC.

LEIA AINDA – “Estou pagando por lugares vazios nos ônibus”, diz Greca após protestos contra bandeira laranja

O número total de óbitos na capital atingiu 89 pessoas nesta terça-feira. Até o final de maio, ocorria uma morte a cada dois dias, em média. Agora, essa incidência pulou para cinco mortes a cada dois dias – também cinco vezes mais. A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, explica que estão sendo tomadas medidas para evitar que a cidade entre na bandeira vermelha.

“De um dia para o outro, o quadro muda. O importante é que todas as decisões levam em conta o melhor cenário para o combate ao novo coronavírus. A curva de crescimento da doença precisa ser controlada para que não faltem leitos nos hospitais quando os pacientes precisarem.”

LEIA MAIS – Paraná avalia lockdown regional após aumento de 354% nos casos de covid-19

Márcia Huçulak disse que a falta de comprometimento dos curitibanos com as medidas de segurança, como o isolamento social, terá repercussões na próxima semana. “O aumento de casos tem um reflexo daqui uma semana na ocupação de leitos”, disse.

Ela também lembrou que não adiante ter os leitos, sem os profissionais para operá-los. “Tivemos baixas nas equipes e sem eles não conseguimos manter o leito ativo. Estamos num esforço para ampliar a capacidade, mas a população tem que ajudar e diminuir a circulação”.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?