Uma postagem na rede social de um dos sócios de diversos bares e estabelecimentos de alimentação em Curitiba causou polêmica nesta terça-feira (21). Em resposta a uma fala da cantora Pabllo Vittar, que é drag queen, o empresário Caio Manfredini, que tem parte dos bares Quermesse, Porks e Mr. Hoppy, se exaltou e ofendeu Pabllo.

Postagem do empresário ofendia a cantora e foi excluído. Foto: Colaboração
Postagem do empresário ofendia a cantora e foi excluído. Foto: Colaboração

O post da cantora fazia menção ao candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), dizendo que “se Bolsonaro ganhar em 2018, eu declaro toda a minha carreira encerrada no Brasil. Não tem como viver no mesmo país que esse homem!”. Diante da mensagem, Manfredini disse para ela ‘vazar’ do país, e proferiu alguns insultos contra a artista.

A reação foi imediata. Além de diversos comentários nas redes do empresário, as páginas dos estabelecimentos também foram inundadas de participações. Diante da repercussão negativa, o dono dos estabelecimentos e irmão do autor da postagem, José Araújo Neto, emitiu uma nota, explicando que apesar de o irmão ser sócio, ele não tem participação administrativa oui operacional nas casas e que está tomando providências para que Caio seja retirado das sociedades.

“Ele conta com pequena porcentagem em algumas delas, apenas por questões burocráticas, e já estão sendo tomadas as devidas providencias para que seja desvinculado totalmente das quais tem a pequena participação legal. Em suas missões, visões e valores, as empresas fomentam o respeito, a igualdade e a liberdade de cada pessoa ser o que é, sem qualquer forma de preconceito de raça, sexualidade, gênero, religião, nacionalidade entre outros pontos”, destacou a nota.

A empresa que prestava serviços de comunicação aos estabelecimentos também se manifestou, revelando que deixava de prestar serviços para os locais. “Nossa decisão foi tomada, principalmente, por causa de nossos valores e princípios, que são completamente afetados com a situação”, diz o texto da empresa.

As empresas devem promover ações sociais, revertendo a renda para organizações que lutam pelos direitos LGBTs em Curitiba. Porém, os comentários nas páginas das empresas foram desabilitados e o empresário Caio Manfredini fechou sua conta no Facebook.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Comunicado pró-Lula não tem efetividade jurídica alguma, diz ministro