A morte do “patrão” do tráfico da Cidade Industrial de Curitiba (CIC) gerou pânico entre moradores. Um suposto toque de recolher teria sido dado na Vila Nossa Senhora da Luz, região que Diantro Claudio Melanski, de 38 anos, comandava e foi morto na tarde desta segunda-feira (4).

Escolas dispensaram alunos, moradores foram orientados a não sair de casa e até ônibus do transporte coletivo não circularam na região. Nas redes sociais, inúmeros áudios e mensagens começaram a circular, em todos, dizendo a mesma coisa: o toque de recolher era uma represália pela morte do “patrão” do tráfico.

“Mulheres, crianças, quem fala é o comando. Salve geral. O toque de recolher é de verdade, queremos todos os comércios fechados. Se tiver carro na rua, vamos ‘meter’ fogo. O papo é reto, vamos respeitar, para depois não dizer que não foi avisado”, dizia um dos áudios, com voz de homem, que começaram a circular. Nesta manhã, a equipe da Tribuna constatou que muitas lojas estavam realmente fechadas.

Em outro áudio, também enviado pelo Whatsapp, outro homem era incisivo em afirmar sobre o toque de recolher. De acordo com o homem, a orientação era dada pelo “comando” e valeria das 22h desta segunda até às 10h desta terça-feira (5).

No Colégio Estadual Professor Brasílio Vicente de Castro, que fica na Rua Santa Ângela de Foligno, os alunos foram dispensados às 21h nesta segunda. Segundo funcionários da escola, os próprios alunos do período noturno, que fazem ensino médio e técnico, começaram a receber os áudios no celular e entraram em desespero. “Por isso tomamos a atitude de dispensá-los mais cedo”, explicou uma funcionária, que não se identificou.

Na manhã desta terça-feira, as aulas não foram canceladas, mas muitos pais preferiram não mandar os filhos para a escola. “Nós conversamos com a polícia, e nos disseram que não era para nos preocuparmos, mas as pessoas preferiram não arriscar”. Poucos alunos do ensino médio e da turma de fundamental apareceram para estudar.

Morte de Diandro aconteceu na tarde de ontem. Crime pode ter motivado mudança no bairro. Foto: Lineu Fillho.

Desvio nos ônibus

A reportagem confirmou que os ônibus tiveram trajetos alterados já na manhã desta terça. O gerenciamento de tráfego da empresa de ônibus Redentor informou que em algumas linhas, como Portão/CIC, Jardim Campo Alegre e Vila Nossa Senhora da Luz foram alteradas.

Segundo a empresa, a recomendação é para que não passe pela Rua Pedro Gusso e o desvio é feito pela Rua João Bettega. O próprio gerenciamento do tráfego confirmou que o motivo se deve à morte do traficante e ao suposto toque de recolher na região.

Intitulado pelos moradores da CIC como o “patrão” do tráfico do bairro, Diandro foi executado já dentro de um carro, depois de sair de uma loja na Rua Pedro Gusso. Segundo a perícia, foram mais de 10 tiros de pistola calibre 9 milímetros.

Tráfico em guerra

Conforme apurou a Tribuna do Paraná, os comentários nas ruas da CIC são de que Diandro já foi o braço direito de Éder Conde que, em 2010, era o patrão do tráfico no bairro, mas foi preso em, 2010. Com a prisão, pela Polícia Federal, Diandro assumiu a posição do ex-patrão.

O fato de Diandro ter assumido a posição de Éder não teria agradado o homem e gerou rixa entre os dois. Éder saiu da cadeia em 2015, mas foi preso logo em seguida, pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), por usar policiais como segurança.

Segundo a DHPP, Éder já saiu da cadeia e deve ser ouvido nesta terça-feira (5). A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que o reforço no policiamento na região foi feito, junto com o Batalhão de área da Polícia Militar. Até agora, nenhuma ocorrência foi registrada. 

Saúde fechada

Na região, das três unidades de saúde, duas funcionam normalmente. A reportagem da Tribuna entrou em contato com os funcionários da Unidade de Saúde (US) Oswaldo Cruz, que fica na Rua Pedro Gusso, e foi informada de que as portas estão abertas e o atendimento é feito normalmente, mas policiais estão na porta da US.

“Caso alguma coisa aconteça, a gente fecha. Se não, continuamos trabalhando, mas fomos a única unidade que conseguiu abrir”, comentou a moça que atendeu ao telefone e pediu para não ser identificada. O mesmo acontece na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), que fica na Rua Senador Accioly Filho.

Já na Unidade de Saúde da Vila Nossa Senhora da Luz, um episódio assustou os funcionários pela manhã. Um homem armado teria invadido o local e mandado que as portas fossem fechadas, respeitando o suposto toque de recolher. O homem foi embora, os funcionários obederam e, mesmo com a presença da Guarda Municipal, não quiseram arriscar em abrir a US novamente. 

Brincadeira?

Os áudios disparados pelo WhatsApp foram uma brincadeira de mau gosto, conforme a PM. Segundo o tenente-coronel Paulo Lemes de Camargo, comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar (BPM), adolescentes começaram a gravar as mensagens entre eles e os áudios acabaram circulando em vários grupos do aplicativo. “Boatos tendenciosos, que foram disparados para assustar”, caracterizou o comandante.

De acordo com o tenente-coronel, uma operação da PM na Vila Nossa Senhora da Luz já estava programada para a madrugada desta terça-feira e foi feita. “Com o surgimento dos boatos, criou-se certo medo entre os moradores e comerciantes, então o que fizemos, além de manter a operação, foi reforçar o policiamento com mais gente nas ruas”.

Desde o momento da morte do “patrão” do tráfico, segundo o comandante do BPM, nenhuma ocorrência foi registrada. “Em algumas escolas, os alunos foram dispensados a noite, mas pela manhã a orientação era não cancelar as aulas, alguns alunos não foram, mas os professores estavam nos colégios. O comércio abriu normalmente e os ônibus, que estavam sendo desviados, já voltaram ao normal”, disse Paulo Lemes de Camargo.

Ainda de acordo com o tenente-coronel, o serviço de saúde não foi interrompido. Sobre os ônibus, a empresa responsável informou que, por volta das 9h20, alguns veículos voltaram a fazer o trecho que foi desviado. Só não foi informado quais dos ônibus ainda continuam mantendo a restrição de não passar pela Rua Pedro Gusso.

Pelo menos até o final do dia, equipes policiais devem se manter na região para reforçar a segurança. “Querendo ou não, a população ficou com certo medo, então, tomamos atitudes para que tudo siga normalmente”, explicou o comandante. Além da CIC, o bairro Fazendinha também deve ter mais policiais.

Entrada da Vila Nossa Senhora da Luz estava deserta nesta manhã. Foto: Colaboração.