A antiga estação ferroviária Estribo Ahu, no bairro Boa Vista, na Avenida Anita Garibaldi, em Curitiba, não apresenta boas condições estruturais. Cansados de ver a bela estrutura caindo aos pedaços, moradores colocaram uma faixa proibindo a passagem de pedestres naquele local. Segundo eles, a preocupação da comunidade é com as crianças que costumam passar pela região que abriga um colégio nas proximidades. Mas e aí, como que fica? Uma parceria entre a prefeitura de Curitiba e a Rumo Logística, concessionária responsável pela área de domínio do equipamento, projetam melhorias para o local para os próximos meses.

+Leia mais! Fiéis lamentam morte de padre da Igreja Bom Jesus do Cabral, em Curitiba

Ao passar pela estação, que foi utilizada por trens que seguiam com destino a Rio Branco do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, a deterioração é visível. Com os dormentes quebrados e com os pilares podres, a chance do telhado desabar existe. Essa situação deplorável da estrutura pode provocar um acidente grave a qualquer momento.

Estação foi isolada por moradores que temem grave acidente por causa do estado deplorável da estrutura histórica.
Estação foi isolada por moradores que temem grave acidente por causa do estado deplorável da estrutura histórica. Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná.

Soeli Nascimento, 57 anos, passa pelo local diariamente para ir ao trabalho e relatou que o estado da estação é ruim faz tempo. “É meu caminho para o trabalho pela manhã e a noite. Faz tempo que está assim. As crianças usam ali como passarela, pois é menos perigoso, já que na tem a lombada elevada”, comentou Soeli em um papo com a Tribuna. 

+Quase milionário! Aposta de Curitiba fica por um número de Mega Sena milionária, mas garante R$ 101 mil

A preocupação na região não é somente com o abandono da antiga estação. O advogado Eduardo Jost, 44 anos, acredita que é preciso dar mais atenção ao bairro que, segundo ele, está órfão de boas ações. “Eu vi a faixa, mas o estado ruim da estação já é de longa data. Estamos abandonados“, ressaltou o morador do bairro. 

Além da precariedade na Estação Estribo Ahu, moradores cobram mais atenção da prefeitura de Curitiba para o bairro Boa Vista.
Além da precariedade na Estação Estribo Ahu, moradores cobram mais atenção da prefeitura de Curitiba para o bairro Boa Vista. Foto Gerson Klaina/Tribuna do Paraná.

A responsabilidade é de quem?

Segundo nota da prefeitura de Curitiba, a faixa de domínio da ferrovia é de responsabilidade da concessionária Rumo. “Toda e qualquer intervenção, seja projeto ou obra nesses locais, depende de aprovação da concessionária que opera o trecho ferroviário“, diz a nota.

A prefeitura informou ainda que projetos executivos da parte estrutural, de restauro e também de acessibilidade para o pórtico do Estribo Ahu já estão concluídos por parte do Ippuc. Por exigência da Rumo, os projetos também foram aprovados em demais órgãos no âmbito municipal com a Autorização para a Execução de Obra (AEO) expedida pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMMA) e o orçamento elaborado pela Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMOP).

+Errou, Caetano! Em “mini-aula” de paranismo, Caetano Veloso cometeu dois erros durante passeio por Curitiba

O projeto consiste de seis lances de rampa, em conformidade com a NBR 9050, – a Norma da ABNT que trata da acessibilidade em edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos e estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quanto ao projeto, construção, instalação e adaptação do meio urbano e rural, e de edificações às condições de acessibilidade, mais cinco degraus, rampa e patamar, corrimão, guarda-corpo e piso tátil. Além das construções novas, a adequação da escadaria existente contempla a substituição da estrutura de madeira por concreto dos quatro pilares que sustentam a cobertura, bem como a elevação da cobertura em 40 centímetros. Todas as intervenções respeitam as orientações da Rumo.

Partes da Estação Estribo Ahu estão podres e preocupam moradores.
Partes da Estação Estribo Ahu estão podres e preocupam moradores. Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná.

Quando a estação Estribo Ahu será reformada?

Neste momento, estão em curso as aprovações de passagem de nível e paralelismo, a serem encaminhadas à Rumo para validação. A partir da aprovação pela Rumo será aberto o processo licitatório para a execução da obra. Declarada a empresa vencedora e assinada a Ordem de Serviço, a estimativa de tempo de execução de obra é de 90 dias.

Já a Rumo, informou também em nota que não se contrapõe a projetos que possam contribuir para o desenvolvimento da região, desde que respeitem as diretrizes da resolução 5956/21, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que define a execução de qualquer obra na faixa de domínio da ferrovia, além de todas as normativas técnicas aplicáveis à implementação do projeto em questão. Para a autorização é necessário a elaboração de projetos executivos que devem ser previamente aprovados pela concessionária e encaminhados para análise e autorização do órgão regulador.