A partir desta quarta-feira (16) as estações Ouro Verde (nos dois sentidos), que ficam na Avenida Winston Churchill, no Capão Raso, vão passar a servir de parada para o ligeirão Norte-Sul. Os dois pontos fazem parte das obras para o itinerário que vai da Praça do Japão, no Água Verde, até o Terminal do Pinheirinho.

A requalificação das estações-tubo vai possibilitar a conclusão do roteiro do ligeirão do Santa Cândida ao Pinheiro, que é bastante utilizada pelos passageiros.

LEIA TAMBÉM:

>> Ecovia inicia duplicação em rodovia no litoral do Paraná

>> Voo direto entre Curitiba e Florianópolis entra em operação; veja datas e horários

“O desalinhamento permite o embarque e desembarque e a ultrapassagem dos ligeirões quando necessário. Entregamos hoje as estações Ouro Verde e, ainda este mês, entregaremos as estações Morretes, na Avenida República Argentina”, disse Rafael Greca nesta quarta-feira (16), enquanto vistoriava a conclusão da obra.

Divididas em três lotes ao longo das avenidas República Argentina e Winston Churchill, as intervenções estão sob a supervisão da Secretaria Municipal de Obras Públicas e são executadas pela empresa Betacem e o consórcio Compasa/BR Infra Construções, vencedores da licitação que soma R$ 29,4 milhões. O objetivo é desalinhar as estações, implantar novo pavimento e novas calçadas e, em conjunto com a nova estrutura de transporte coletivo, também serão feitas ciclofaixas ao longo do eixo estrutural.

Durante a realização das obras, o sistema de transporte não foi paralisado. Para a operação da linha direta de biarticulados estão sendo feitas obras que a permitam a ultrapassagem nos dois sentidos das estações-tubo Petit Carneiro, Silva Jardim, Dom Pedro I, Morretes, Carlos Dietzsch, Itajubá, Sebastião Paraná, Vital Brasil, Hospital do Trabalhador e Pedro Gusso no eixo da Avenida República Argentina. E, ainda, as estações José Clementino Bettega, Santa Regina e Ouro Verde – que já foi entregue, na Avenida Winston Churchill.

Enquanto o trabalho ainda estiver em andamento, os ônibus fazem desvio pela pista lenta do eixo estrutural.

Andamento das obras

De acordo com o secretário de Obras, o trabalho é executado por escalonamento e sem inviabilizar o uso de estações-tubo em sequência, o que prejudicaria os passageiros. Os serviços devem ser concluídos entre o fim deste ano e o início de 2022.

“Estamos com o trabalho em andamento nas estações Silva Jardim, Dom Pedro I, Morretes, Carlos Dietzsch, Hospital do Trabalhador e José Clementino Bettega. Na medida em que são concluídas estas estações, iremos avançando para as próximas. No próximo mês também serão concluídos os serviços nas estações Dom Pedro I e José Clementino Bettega”, apontou Rodrigo Rodrigues.

Novas estações

O presidente da Urbs destacou as inovações adotadas pelas novas estações Ouro Verde e que serão replicadas nos demais pontos de parada do transporte coletivo localizados nas avenidas República Argentina e Winston Churchill.

“As estações propiciam maior conforto térmico, são mais acessíveis – com elevadores e portas mais amplas e com toda a iluminação em LED. São estações novas e inovadoras”, explicou Ogeny Pedro Maia Neto.

Estação-tubo Ouro Verde, no Capão Raso. Foto: Ricardo Marajó / Prefeitura de Curitiba.

Entre as inovações implementadas estão fechadura magnética para a porta de isenção, que confere robustez ao equipamento e maior controle de acesso. Ainda houve mudança do posto de trabalho visando proporcionar um vão de mais de 80 centímetros para a porta de isenção, atendendo a norma do vão mínimo para acesso de cadeirantes.

O conforto térmico no interior das novas estações são garantidos pelo forro isolante, vidros curvos com filtro solar e vidros do entorno do posto de trabalho com filtro solar e pintura reticulada para uma proteção extra ao cobrador.

Tempo de viagem

Segundo dados Urbs, pelo eixo Norte-Sul são transportados diariamente 350 mil passageiros. Durante a pandemia do novo coronavírus, esse número registrou uma queda de 44% e atualmente são 195 mil passageiros por dia a utilizar os ônibus que circulam no eixo.

Também de acordo com estimativas da Urbs, a obra vai gerar uma economia de 16 minutos no trajeto entre o Terminal Santa Cândida e o Terminal Pinheirinho. Considerando que a velocidade do ônibus expresso, que para em todos os pontos do trecho norte-sul, é, em média, de 17 km/h, o tempo total da viagem com o ligeirão será de 50 minutos. O tempo feito pelo ônibus parador é de 66 minutos. Outro fator positivo possibilitado pela obra é o ganho de 25,5% na velocidade média do ligeirão.