O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná, deflagrou nesta quarta-feira (22) uma operação que investiga o recebimento de propina por parte de integrantes da delegacia da Polícia Civil de Campina Grande do Sul. Foram compridos 13 mandados de busca e apreensão nas cidades de Quatro Barras, Colombo, Campo Magro, Rio Branco do Sul, Curitiba, Morretes e Campina Grande do Sul.

Oito pessoas e mais uma empresa são alvo da investigação. Segundo o Gaeco, a possível prática de corrupção aconteceram entre agosto de 2020 e fevereiro de 2021. Parte dos funcionários da delegacia teriam recebido vantagens indevidas para a liberação de um veículo apreendido e também pagamento de propina para não fiscalizar uma festa clandestina. O estagiário teria recebido várias transferências bancárias como propina, que somadas totalizam a quantia de R$ 10 mil.

LEIA TAMBÉM:

>> Amortecedor estourado causa transferência de PM em Guaraqueçaba e revolta população

>> Policial de Curitiba famoso no Youtube por seguir suspeito de bicicleta pede demissão

As investigações duraram cerca de quatro meses e os policiais envolvidos foram transferidos para a Delegacia de Polícia de Rio Branco do Sul. Apenas o estagiário permanece em Campina Grande do Sul.

O Gaeco ainda apura se os investigados praticaram lavagem de dinheiro e outros crimes contra a administração pública. Os mandados foram expedidos pelo Juízo da Vara Criminal de Campina Grande do Sul.

Web Stories

Gigante!!

Nova Havan será quatro vezes maior que a loja que será abandonada em Curitiba

Você sabia?

Cinco curiosidades sobre Curitiba que nem o curitibano raiz vai saber dizer!

Malhação Sonhos

Nat impede que Duca enfrente Lobão

Lindas!

Cinco árvores exóticas e raras de Curitiba