As estudantes Maria Clara Helfenstein e Gabriela Esteves Barbosa de Palotina, no Oeste do Paraná, comemoram a vitória no concurso “Cientista por um dia”, promovido pela NASA. As adolescentes são bolsistas do projeto Rocket Girls da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Maria Clara, de 15 anos, e Gabriela, de 17, escreveram uma redação defendendo o estudo intenso e urgente sobre a Lua Titânia, satélite do planeta Urano. As duas venceram o concurso cujo resultado foi divulgado em abril. A orientação foi realizada pela professora Mara Fernanda Parisoto. No artigo, as estudantes reforçam a necessidade de retornar a esse satélite, pois as imagens capturadas pela sonda espacial Voyager II, que esteve em Urano na década de 80, não têm uma qualidade muito boa quando comparada à qualidade fornecida pela tecnologia atualmente disponível.

LEIA TAMBÉM:

>> UFPR encontra material genético do coronavírus em objetos de hospitais e consultórios de Curitiba

>> Idealizado por uma enfermeira, “Mãos que ajudam” atende mais de 3,6 mil famílias na grande Curitiba

O forte argumento reforçou a possibilidade de ser encontrados novos elementos para estudo. “A lua Titânia pode ser considerada a mais interessante e mais favorável à coleta de dados para obtenção de bons resultados e para gerar estudos viáveis e relevantes para a comunidade científica em geral. Estudando mais sobre os planetas e suas luas, será possível aprender mais sobre o Sistema Solar e suas especificidades e, consequentemente, sobre toda a humanidade”, relataram Maria Clara e Gabriela Esteves.

Titânia é uma das luas pertencentes ao planeta Urano. Descoberta por William Herschel em 1787, seu nome deriva da obra “Sonho de uma noite de verão “, de Shakespeare. Na história, Titânia é a rainha das fadas.  Ela se destaca por ser a maior e mais massiva (com massa oito vezes maior que a do Sol).

Rocket Girls

O Rocket Girls faz parte do projeto “Meninas nas Ciências” que começou em 2018 e é coordenado pelas professoras Mara Fernanda Parisoto e Paola Cavalheiro Ponciano, do Setor Palotina. Ele tem financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O projeto estimula o envolvimento de jovens meninas no estudo das ciências exatas e da computação, incentivando estudantes do ensino médio e fundamental, da rede pública de ensino. São desenvolvidas ações relacionadas às temáticas da astronomia, foguetes, robótica, plantas medicinais, investigação forense, entre outras.