Presos na quinta-feira (24), o advogado presidente da Sociedade Morgenau, Wagner Cardeal Oganauskas, e o diretor do clube, Marcos Antônio Ramon, prestaram depoimento à polícia durante a tarde desta quinta. Os dois são suspeitos de envolvimento na morte de Ana Paula Campestrini Oganauskas, assassinada na última terça-feira (22) com 14 tiros em frente de casa.

LEIA TAMBÉM:

>> Curitibano é deportado dos EUA após tensão em aeroporto. “Foi a situação mais humilhante da minha vida”

>> Motorista que atingiu motoboy fala pela primeira vez após sair da prisão. “Protagonista de uma desgraça”

Apontado como atirador, Marcos Ramon prestou depoimento na Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) da Polícia Civil por cerca de uma hora e meia. Segundo a polícia, ele teria apresentado álibi de que não estava no local no momento do crime. Wagner Oganauskas, ex-marido de Ana Paula, é acusado de ser o mandante do crime. Ele também prestou depoimento nesta quinta e negou a acusação.

A polícia teria chegado aos dois suspeitos após ouvir 10 pessoas, entre familiares e amigos da vítima. Segundo a delegada responsável pelo caso, Tathiana Guzella, a principal motivação do crime estaria ligada ao processo de separação de Wagner e Ana Paula.

Segundo apurou a polícia, o processo de separação se arrastava há três anos. Divisão de bens, patrimônio e guarda dos filhos estavam em andamento na Justiça. A defesa de Wagner Oganauskas nega os fatos.

A Polícia Civil trata o caso agora como feminicídio. Equipamentos eletrônicos de Wagner e Marcos foram apreendidos. Os dois suspeitos aguardam vagas no sistema prisional.