Depois que uma forte chuva atingiu o Centro de Curitiba e alagar parte da Rua Visconde de Nácar, no cruzamento da Rua Professor Fernando Moreira, a Secretaria Municipal de Obras Públicas (Smop) resolveu minimizar os transtornos na região.

Uma inspeção diagnóstica na galeria foi realizada na última sexta-feira (25) para evitar e prevenir alagamentos. O excesso de lixo está entre as hipóteses que teriam provocado a retenção da água da chuva na região.

LEIA TAMBÉM:

>> Caminhão-tanque bate contra praça de pedágio desativada na BR-277

>> Por que Curitiba tem poucas ruas de concreto? Material é mais resistente e durável que o asfalto

Em parceria com técnicos da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) e usando equipamentos especiais de segurança, as equipes entraram na galeria e iniciaram um levantamento para identificar possíveis problemas de subdimensionamento da estrutura.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por O Que Fazer Curitiba (@oquefazercuritiba)

Entre as suposições está a possibilidade de que algumas estruturas, excesso de lixo ou entulhos descartados irregularmente estejam diminuindo a vazão do canal. Com pontos de estreitamento a galeria não tem suportado as chuvas volumosas do período, extravasando e inundando as ruas do entorno.

A investigação subsidiará novas ações e permitirá o planejamento de intervenções para melhorar o escoamento pluvial na região.

Obstrução tem provocado alagamentos

Para a realização do levantamento as equipes usaram equipamentos de segurança para percorrer aproximadamente 100 metros da galeria. Parte dos técnicos percorreu o canal na parte interna, sob as vias Professor Fernando Moreira e Visconde de Nácar, localizando os elementos que causam a obstrução do fluxo da água pluvial.

Usando a tecnologia de um aparelho que emite sinais sonoros, os técnicos enviaram dados aos integrantes que, na parte externa do canal, fizeram a marcação dos pontos exatos onde os obstáculos foram localizados.

“Esperamos agora pelo laudo que será finalizado nos próximos dias pelos técnicos da Sanepar que ingressaram na galeria para identificar que tipo estrutura está diminuindo a vazão. A partir daí poderemos intervir para minimizar os riscos dos alagamentos”, explica Augusto Meyer Neto, diretor do Departamento de Pontes e Drenagem da Smop.

Limpeza constante

O trabalho de limpeza de galerias pluviais e caixas de captação das águas de chuva é constante em Curitiba, em todas as regiões da cidade. Os reparos acontecem para evitar que a obstrução dos tubos de concreto cause alagamentos em dias de chuvas fortes.

“Manter estas estruturas desobstruídas e em bom estado é muito importante para amenizar alagamentos em períodos de chuvas intensas. Por isso nosso pessoal está constantemente nas ruas para garantir que as galerias cumpram seu papel de levar a água para os rios”, disse o secretário de Obras Públicas, Rodrigo de Araújo Rodrigues

A população pode ficar atenta e colaborar com a manutenção da estrutura que previne alagamento na cidade. Além de evitar que o lixo seja depositado fora dos locais adequados, o que pode acabar obstruindo os canais, os moradores que perceberem que os bueiros estão com refluxo ou não suportam a quantidade de água das chuvas podem ligar para o 156 e informar sobre os problemas.

Equipes irão até o local para vistoriar e fazer as sondagens necessárias e atuar para resolver o problema.

Além da limpeza e manutenção de galerias e caixas de ligação, são constantes as ações de desassoreamento dos cursos de água.

Pantanal

Tibério proíbe Muda de falar com Alcides

Além da Ilusão

Úrsula rouba o bebê de Heloísa

Novidades

Comédia com Paulo Gustavo e mais filmes e séries chegam nesta semana na Netflix, confira!

Carreira

Ganhadora do prêmio de pior atriz a vida rodeada de polêmicas, quem é Anne Heche?