Moradores da Rua Luiz Visinoni, Moradias do Iguaçu, no Cajuru, ouviram vários tiros por volta das 22h30 de domingo. Em seguida, encontraram o corpo do pedreiro Gustavo Dias, 28 anos, caído na calçada.

Segundo testemunhas ele foi ferido na rua, correu por alguns metros e invadiu o terreno de uma casa. Lá, foi executado com tiros na cabeça. No chão, havia rastro de sangue, indicando que ele foi arrastado para o lado de fora.

O dono da residência contou que, quando saiu para ver o que havia acontecido, o rapaz já estava morto na calçada. “Estava com minha esposa e minha filha vendo televisão, quando ouvimos barulhos de conversa. Deu para entender que um deles dizia que ia pagar alguma coisa assim que conseguisse. Logo depois, vieram os tiros”, descreveu o morador, que preferiu não se identificar. “Foi assustador, todos nos escondemos no quarto e, quando nos sentimos mais seguros, saí pra ver o que havia acontecido”.

Arrastado

Policiais militares do 20.º Batalhão isolaram a área e colheram informações, que foram passadas aos investigadores da Delegacia de Homicídios. De acordo com o tenente Cavalli, o rastro de sangue que sai do terreno e segue até onde o corpo foi encontrado, na calçada, é um indício de que ele foi arrastado.

“O dono da casa disse que não foi ele, então, provavelmente foi o autor do crime”, disse Cavalli. Enquanto os policiais aguardavam o recolhimento do corpo de Gustavo, um rapaz chegou ao local, se identificou como amigo da vítima, olhou o cadáver, e foi embora chorando.