O projeto que percorre os cinco principais rios da cidade para monitorar a qualidade da água chegou ao Rio Belém, na região do Centro Cívico, nesta quinta-feira (20). A expedição é uma parceria entre Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros, Polícia Ambiental e o pesquisador e escritor Eduardo Fenianos – o Urbenauta – e teve início no dia 8 de junho.

“Iremos encerrar no dia 28, quando entregaremos um relatório sobre tudo o que encontramos”, conta Fenianos. Até agora, a equipe detectou mais de 100 pontos ilegais ou irregulares de despejo de esgoto nos rios. O desafio da expedição, que ao todo irá percorrer mais de 160 quilômetros de rios, é monitorar a qualidade da água e colher informações sobre a diversidade do entorno dos rios Atuba, Belém, Passaúna, Iguaçu e Barigui.

Outra meta do projeto é plantar sementes e mudas de árvores nativas nas margens dos rios navegados, com o objetivo de recompor sua mata ciliar. A escolha das sementes e mudas foi feita pelas equipes do Museu Botânico Municipal e do Horto Municipal.

Com o apoio da Secretaria do Meio Ambiente e da UFPR, a água dos rios que estão sendo monitorados será analisada e os relatórios entregues aos órgãos competentes para que ações de prevenção e despoluição sejam tomadas. Todo o trajeto tem o acompanhamento da Polícia Ambiental do Paraná que aproveitará a expedição para ações de fiscalização.

A flora e a fauna da região também estão sendo mapeadas e serão posteriormente estudadas, com relatórios fotográficos sobre os animais encontrados ao redor dos cinco grandes rios que formam a bacia hidrográfica de Curitiba.

Rede de coleta

O departamento de Recursos Hídricos e Saneamento da Secretaria Municipal do Meio Ambiente acaba de concluir o mapeamento de toda a rede de coleta e tratamento de esgoto da cidade, lançando o Programa de Monitoramento da Qualidade da Água dos Rios.

“A partir de julho, enviaremos um aviso a todos os imóveis que estão irregulares, que terão 60 dias para regularizar a situação, sob risco de pena de multa para quem não cumprir a determinação”, conta a diretora do departamento, Marlise Jorge, que acompanhou a expedição do Urbenauta nesta quinta-feira.