A Polícia Civil, através da Delegacia de Explosivos, Armas e Munições (Deam), instaurou inquérito para apurar as causas da explosão em um apartamento no bairro Água Verde, em Curitiba, no último sábado (29), que resultou na morte de um menino de 11 anos e que deixou outras três pessoas gravemente feridas. A investigação ainda está em fase inicial, mas a polícia não descarta nem mesmo a possibilidade de o caso ser considerado crime doloso.

+Leia mais: Vítimas de explosão no Água Verde passam por cirurgia em Curitiba

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Adriano Chohfi, já se sabe que o incêndio foi causado pelo produto usado na impermeabilização do sofá. Mas as investigações podem ir além. “Vamos averiguar se houve negligência. Pode ser até um crime doloso”, afirma.

O delegado esteve com a perícia na manhã desta segunda no apartamento. Também foi junto a equipe de fornecimento de gás (GLP) do prédio. “O trabalho da perícia vai ser muito importante para detectar se houve relação com o gás normal, em uma dupla combustão, ou se foi só o produto de impermeabilização que causou a explosão”.

De acordo com o delegado, a mãe e a irmã do técnico que fazia a impermeabilização do sofá no momento da explosão já foram ouvidas. O rapaz trabalhava na empresa desde outubro de 2018 e teria feito treinamento para aplicar o produto. Chohfi ainda disse que o laudo particular da empresa de gás sai em dois três dias e que se pensou em explosão por gás misturado com o produto, mas pelo tipo de queima da explosão indica ser mais provável que seja só o produto, por que o gás do químico de acumula no teto. Quando é gás de cozinha, ele se acumula mais embaixo

+Leia mais: Vaquinha quer ajudar vítimas de explosão em apartamento em Curitiba

Prazo de conclusão do inquérito

A expectativa da polícia é de que o inquérito seja concluído em 30 dias. Já nesta segunda o delegado começa a interrogar testemunhas. Também como parte a investigação, o carro da empresa que fazia impermeabilização de sofá foi apreendido pela polícia no dia da ocorrência.

“A cena do apartamento destruído impressiona pela força da explosão. Por isso pedimos prioridade na conclusão dos laudos”, reforça o delegado.

Segundo Chohfi, os investigadores também estão averiguando se a empresa que fazia a impermeabilização no sofá tinha todas as licenças para autuar. O delegado informou que após a explosão no Água Verde a Deam vai reforçar a fiscalização das empresas de impermeabilização de sofá nos próximos dias.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

“Todo produto controlado precisa de liberação do órgão competente, seja o Exército, a Polícia Federal, o Corpo de Bombeiros e a própria Deam”, reforça o delegado.

Três pessoas seguem internadas após a explosão, duas em estado grave. Na manhã desta segunda, o Hospital Evangélico Mackenzie atualizou as condições clínicas de cada um. O técnico de impermeabilização de sofá Caio Santos, de 30 anos, é o mais grave, com 65% do corpo queimado. Moradora do apartamento, Raquel Lamb, 23 anos, irmã do menino que morreu, teve 55% do corpo queimado. Ambos seguem sedados na UTI. Já o marido de Raquel, Gabriel Araújo, está com 30% do corpo queimado, mas já saiu da UTI e está estável.

+Leia também: Incêndio deixa casa noturna parcialmente destruída em Curitiba

Laudo do prédio

Além dos policiais e peritos científicos, engenheiros da Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) da prefeitura de Curitiba também preparam um laudo sobre as condições do edifício após a explosão. É este laudo que vai determinar se os moradores podem retornar para suas casas, já que todo o prédio precisou ser evacuado desde o incidente.

Curitiba pode ter temperatura negativa nos próximos dias! Veja a previsão!