A família do modelo paranaense Lucas Honorato Francisco, 21 anos, passa por um drama desde que ele foi internado em Xangai, na China, com o diagnóstico de tuberculose. A internação do rapaz, que é de Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, já dura uma semana e ele chegou a ser transferido de um hospital para outro por causa do risco de contaminação por coronavírus, o que poderia ser fatal.

Sem recursos para pagar o tratamento de cerca de R$ 80 mil mensais, a mãe dele, Andrea Honorato, 46 anos, que mora em Piraquara, pede ajuda para salvar a vida do filho por meio de doações em uma vaquinha online, que até a tarde desta quinta-feira (7) já havia arrecadado R$ 65 mil. Segundo a família, a China não conta com sistema público de saúde e o jovem corre o risco de não receber o tratamento adequado caso a conta do hospital não seja paga. Não há nenhum parente com Lucas na China. Apenas amigos amparam o jovem no hospital. A expectativa da mãe é de que o filho retorne ao Brasil após o tratamento.

LEIA MAIS – Voluntários ajudam 220 famílias carentes de Curitiba a se cadastrar no app do auxílio de R$ 600

O estado de saúde do modelo é grave. Inclusive, Lucas teria tido uma parada cardíaca durante a transferência de hospital. “Quero que meu filho tenha tratamento. Ele só pode voltar ao Brasil quando estiver bem. Doente do jeito que está, seria perigoso. Estou aflita”, preocupa-se a mãe, que está desempregada.

De acordo com o Consulado-Geral do Brasil em Xangai, o jovem está internado desde sexta-feira (1.º), em um hospital de referência de Xangai especializado em doenças pulmonares. Em nota, o consulado informa que houve dificuldade para encontrar um leito para Lucas. Por isso, foi preciso atuar, junto às as autoridades locais, para garantir a internação do modelo paranaense no hospital em que está internado agora.

Ainda conforme a nota, o consulado vem prestando a assistência cabível, mas não pode arcar com quaisquer custos oriundos do tratamento médico.

Uma amiga de Lucas, que acompanha o jovem no hospital e se identificou como Fabi, explica que há uma mobilização de amigos na China tentando conseguir recursos para o tratamento. Mas sem a vaquinha online será muito difícil conseguir, pois o valor do tratamento é alto.

“Pelo estado de saúde do Lucas, é possível que o tratamento dure, pelo menos, dois meses. A tuberculose foi descoberta em estado avançado da doença. Tem cura, mas ele só será tratado se cobrir os custos. Por isso, toda a ajuda é necessária para que ele fique conosco”, pede Fabi. 

VIU ESSA? – Automedicação aumenta no PR na pandemia e Conselho de Farmácia alerta para riscos

Em Piraquara, segundo a mãe, a mobilização pela vaquinha tem trazido esperança para a família. “Amigos do colégio, o pai dele, irmã e todo mundo estão correndo contra o tempo para divulgar”, contou a Andrea Honorato, que está separada do pai de Lucas há dois anos.

Ida pra China

Lucas Honorato foi para a China em outubro de 2018 para trabalhar como modelo. O contrato com a agência de Curitiba que o levou venceu no mês seguinte, em novembro de 2018. De acordo com a mãe, Lucas decidiu para ficar na China por conta própria, mesmo sem o visto de permanência. “Ele passou a fazer freelancer como modelo e a trabalhar como informal em baladas”, conta ela.

A mãe também disse que percebeu uma tosse diferente no filho, há cerca um mês, durante conversas por vídeo em aplicativo de mensagem. “Mas ele me dizia que estava tudo bem. Talvez, tenha tido medo de procurar um médico por causa da falta de visto. Agora, vivemos essa agonia. Quero trazer ele de volta com segurança”, torce a mãe.

LEIA MAIS – Deputado tenta evitar que crianças sejam batizadas como coronavírus, covid e pandemia no PR

Quem quiser ajudar a família do Lucas Honorato pode acessar a vaquinha virtual criada pela família neste link. Andrea Honorato pede que as pessoas evitem os endereços falsos. Segundo ela, uma vaquinha falsa chegou chegou a ser criada, mas o endereço já foi denunciado.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?