A tradicional Feira de Artesanato do Largo da Ordem vai voltar a funcionar aos domingos em Curitiba, a partir do próximo fim de semana (17 e 18), com até 50% de suas bancas. A medida que foi divulgada nesta quinta-feira (15), segue o decreto municipal 730/2021 publicado na quarta-feira (14), que prorrogou a bandeira laranja e alterou restrições de combate à covid-19 na capital.

LEIA MAIS – Curitiba retoma vacinação contra covid-19 nesta sexta com idosos de 66 e 65 anos

Durante o agravamento da pandemia, a feirinha já vinha acontecendo aos sábados e de forma digital, mas o retorno do funcionamento aos domingos era um apelo dos artesãos. Segundo eles, o domingo é o dia de maior movimento de vendas e o tradicional de funcionamento. 

VIU ESSA? Aumento na conta da água da Sanepar é aprovado pela Agepar; reajuste deve chegar em maio

Com as regras da bandeira laranja em vigor, aos domingos haverá, segundo a prefeitura, a necessidade de cumprimento de medidas especiais, sendo adotado o sistema de take away (retirada) para as barracas de alimentação. Com o novo sistema ainda fica proibido o consumo no local e não haverá mesas e cadeiras nos entornos das barracas. 

Atenção, artesãos!

Para os artesãos interessados em participar da Feira do Largo da Ordem no sábado (17) e domingo (18), a orientação da prefeitura é para que um e-mail com a solicitação seja enviado para: artesanato@curitiba.pr.gov.br , informando nome do titular e o trecho onde participa, para organização do setor.

O horário passa a ser o mesmo para os dois dias de funcionamento, das 9h às 14 horas.

LEIA MAIS – O que pode ou não pode funcionar na nova Bandeira Laranja de Curitiba?

A coordenadora das Feiras de Artesanato, Tangrian Cunico Santos, salienta que a permanência do funcionamento aos domingos é analisada semanalmente junto à Comissão de Saúde. A feira continua funcionando com 50% da capacidade, não excedendo 600 barracas aos domingos e 300 aos sábados. 

Normas de funcionamento da Feirinha do Largo

I – Distanciamento de 2m;

II – Uso obrigatório de máscaras; 

III – Disponibilização pelos artesãos de álcool 70% ou sanitizantes de efeito similar para uso próprio e de clientes; 

IV – Organização de filas para evitar aglomerações; 

V – Presença de apenas um artesão por barraca; (exceção para barracas de alimentação, que devem obedecer distanciamento de 1,5m) 

VI – Recomendação para que seja evitada a possibilidade de manipulação dos produtos a serem comercializados pelo público em geral; (ou que seja utilizado álcool em gel antes e após o manuseio) 

VII – Colocação de cartazes de orientação e utilidade pública referentes à prevenção da covid-19, a serem disponibilizados pelo Instituto Municipal de Turismo.