A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba alerta para o aumento no número de focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, zika e chikungunya, registrados no primeiro mês do ano.

LEIA TAMBÉM:

>> Cidade da RMC é condenada por crime ambiental em área de preservação de Curitiba

>> Cinco novos radares começam a operar em Curitiba na próxima semana. Veja os locais!

Em janeiro, os Agentes de Combates às Endemias identificaram 90 focos positivos de Aedes, número três vezes maior com relação ao ano anterior quando foram identificados 26 focos ao longo do mês.

A coordenadora do Programa Municipal de Controle do Aedes da SMS, Tatiana Faraco, explica que embora seja identificada a presença do mosquito, isso não significa que eles estejam contaminados, mas mesmo assim, a situação preocupa.

Segundo Tatiane, a preocupação é o mosquito entrar em contato com uma pessoa que veio com a doença de outra cidade, se isso acontece o mosquito passa a carregar o vírus e pode transmitir para outros moradores da região.

“Todo o nosso esforço nas ações de orientação, bloqueio das áreas de identificação dos focos e mutirões de limpeza é para evitar que isso aconteça, mas precisamos do apoio da população na manutenção do cuidado com seus espaços”, orienta Tatiana.

Cuidado redobrado

As condições climáticas do verão com temperaturas mais quentes e dias chuvosos criam o ambiente apropriado para proliferação do vetor, e por isso, os cuidados têm que ser redobrados.

Desde dezembro, a Prefeitura intensificou as ações de fiscalizações nas casas, varreduras e mutirões nas áreas de maior risco. Entre dezembro e janeiro mais de 3 mil imóveis foram fiscalizados em todas as regionais.

Mas a coordenadora reforça que o controle do mosquito só é possível em uma ação conjunta com a população. “O mosquito se desenvolve muito rápido e para evitar a propagação é preciso que os moradores façam vistoria semanal de seus ambientes, principalmente após as chuvas”, afirma Tatiana.

Próximo mutirão

O mutirão Curitiba sem Mosquito é uma ação das secretarias municipais da Saúde e do Meio Ambiente para evitar criadouros do mosquito. Só esse ano já foram coletadas 121 toneladas de entulhos.

A próxima etapa vai ser na regional Boqueirão na área da unida de Saúde Eucaliptos entre os dias 14 e 22 de fevereiro.

Entre os dias 14 e 18 de fevereiro, os moradores receberão visitas dos agentes de endemias da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) orientando que tipos de materiais podem ser descartados – tudo o que, ao relento, pode acumular água e ser usado como criadouro pelo Aedes aegypti.

Na segunda (21) e terça-feira (22), os caminhões do departamento de Limpeza Pública da Secretaria Municipal do Meio Ambiente passam pela região para recolher os entulhos.

Dez passos para afastar o Aedes aegypti

1 – Mantenha bem tampados: caixas, tonéis e barris de água.
2 – Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira sempre bem fechada.
3 – Não jogue lixo em terrenos baldios.
4 – Se guardar garrafas de vidro ou plástico, mantenha sempre a boca para baixo.
5 – Não deixe a água da chuva acumular sobre a laje.
6 – Encha os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda.
7 – Se guardar pneus velhos, retire toda a água e mantenha-os em locais cobertos, protegidos da chuva.
8 – Limpe as calhas com frequência, evitando que galhos e folhas possam impedir a passagem da água.
9 – Lave com frequência, com água e sabão, os recipientes usados para guardar água, pelo menos uma vez por semana.
10 – Os vasos de plantas aquáticas devem ser lavados com água e sabão, toda semana. É importante trocar a água desses vasos com frequência.

Pantanal

Zuleica não aceita morar na fazenda com os filhos

Além da Ilusão

Davi expulsa Iolanda de casa

Novidades da Netflix

Filmes e séries que chegam à Netflix nesta semana

Estreia da semana

5 curiosidades sobre “O Telefone Preto”