Um caso curioso envolvendo uma ação policial da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) de Curitiba deixou os policiais em dúvida sobre como resolver a questão. O lado humano ganhou na disputa e mostrou que o coração ainda está acima da razão em alguns momentos.

+ Leia mais: Vídeo flagra “explosão” em turbina de avião da Latam em decolagem no Afonso Pena

A ocorrência ocorreu na sexta-feira (14), no bairro Jardim Carvalho, em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba. Uma denúncia levou os policiais a residência da auxiliar de serviços gerais Gia Carla Andreassy. O relato era que o cachorro estava sofrendo de maus-tratos e precisava de cuidados.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por DELEGADO MATHEUS LAIOLA (@delegado.matheuslaiola)

No entanto, ao chegar na casa da Gia Carla, a polícia encontrou uma situação um pouco diferente. O cachorro realmente precisava de um veterinário, mas a dona é que necessita de apoio. “Fomos resgatar um cachorro e chegamos no local e ficamos na dúvida de quem precisava mais de ajuda. O cachorro ou a sua tutora. Ela disse que o cão foi atropelado e ela estava limpando o machucado, mas não tinha condições de levá-lo para uma consulta veterinária. É triste demais as condições, vocês não fazem ideia do sofrimento de ambos”, disse o delegado Matheus Laiola da DPMA.

Sem prisão e ajuda ao “Feioso”

O cachorro tem o nome de Feioso, uma forma simpática encontrada pelos vizinhos em brincar com o animal. Com o atropelamento, o Feioso ficou mais recolhido em casa, e com a dificuldade financeira de estar sem trabalho, Gia Carla não conseguiu tratar dos machucados.

+ Veja também: Verão Curitiba vai levar atividades e diversão aos parques a partir deste sábado

“Resolvi não prendê-la, e encaminhamos o cão para a Casa do Produtor para tratamento com a protetora Gladis. Sei que a minha decisão de não prender pode até parecer polêmica, mas penso que não podemos criminalizar a miséria. Peço que as pessoas ajudem a senhora que está em uma situação difícil”, desabafou o delegado Laiola.

Apesar de não ter mais o Feioso no lar, a tutora acredita que ele vai ter o cuidado necessário para a reabilitação. “Foi com dor no coração que demos ele, mas foi para o bem. Achei a medida do delegado muito boa e só tenho a agradecer”, relatou Gia Carla

Bora ajudar a família?

A família está precisando de ajuda para consertar a casa em que reside com material de construção. Quando chove, a residência fica alagada devido a buracos no teto. Além disso, o piso da casa está irregular e pode provocar acidentes.

“Tenho um desgaste de coluna e dificuldade de locomoção. Não consigo emprego e não tenho nenhum tipo de benefício. Além disso, gostaria de receber fraldas e pomadas para o meu neto que mora junto conosco. Tenho duas filhas menores que estão precisando de emprego de menor aprendiz”, pediu a vovó Gia Carla e fã do Feioso.

Para ajudar, entre em contato com a família. O telefone da Gia Carla é o (41) 9992-88422 ou (41) 9982-33800 (Ingrid). Caso queira fazer uma transferência financeira pode fazer o PIX pelo PicPay. A chave é giacarla41@gmail.com