Funcionários do Colégio Estadual Leôncio Correia, no bairro Bacacheri, em Curitiba, realizaram um protesto ontem por causa da falta de profissionais na instituição.

São trinta pessoas para cuidar da escola, que possui mais de dois mil alunos estudando no local. Os funcionários são responsáveis pela administração, limpeza e merenda dos estudantes. De acordo com os manifestantes, seria necessário dobrar o número de profissionais para dar conta do trabalho.

No período noturno, somente um funcionário trabalha nas dependências do colégio. Quem estuda à tarde pode contar com apenas um funcionário para fazer a merenda.

“São oito pessoas para fazer a limpeza de 67 salas e cuidar de mais de dois mil alunos. Não existe a reposição para funcionários que ficam doentes. Precisaríamos, para atender a demanda, pelo menos o dobro de funcionários”, explica a professora de Português Tereza Lemos, que leciona no colégio e também é do Núcleo Curitiba Norte do Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Paraná (APP-Sindicato). Funcionários relataram que já chegaram a trabalhar dez horas por dia para poder cumprir toda a tarefa.

A categoria pede uma reposição temporária para dar conta da demanda atual e a homologação dos aprovados em um concurso realizado em 2006. “Até hoje foram convocados 3,3 mil e outros 3,2 mil estão aguardando nomeação. Mesmo que isto aconteça, ainda haverá déficit”, afirma a presidente do sindicato, Marlei Fernandes. De acordo com ela, as escolas estaduais contam com 23 mil funcionários atualmente, contra os 28 mil de 10 anos atrás.

O aumento de funcionários nas escolas é uma das reivindicações que serão apresentadas hoje para o governo do Estado. Professores e outros profissionais que atuam nos colégios fazem uma paralisação geral hoje em todo o Paraná.

Outros pedidos da categoria são a reposição salarial de 25,97%, melhorias na saúde, diminuição no número de alunos em sala de aula e a convocação imediata dos aprovados no último concurso público. Ainda haverá pela manhã uma passeata entre a Praça Santos Andrade e o Centro Cívico.

A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Educação (Seed) divulgou nota sobre o caso e informou que “um novo processo de seleção de funcionários temporários já foi determinado e deverá ser publicado ainda nesta semana”.

A nota reconhece, ainda, que a demanda tem crescido, e até a semana passada a Seed estava tentando contratar os selecionados no Processo Seletivo Simplificado (PSS) de 2009, porém isso não foi efetivado.