Falar em Lindoia, Fanny e Novo Mundo é relembrar das famosas “vilas” da Zona Sul de Curitiba, que na década de 1950 formavam uma leva de loteamentos para operários, incluindo a antiga Vila Guilhermina. Na época, conforme dados do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), ainda tinham as “vilas” Maria Bettega, Cantelli, Kwasinski, Campo Bello e Lindoia. Nas divisas: o Portão, Novo Mundo, Guaíra e Parolin.

A ligação entre as regiões é tão próxima que, atualmente, forma um conseg único, que unifica Lindoia, Fanny e Novo Mundo. O presidente é o sargento Amarildo dos Santos, 59 anos. Ele está no conselho desde 2013. Em fevereiro de 2022, foi aclamado presidente.

LEIA TAMBÉM:

>> Tudo sobre a série especial da Tribuna sobre os Consegs de Curitiba

Conforme aponta Santos, os problemas dessas três áreas de Curitiba têm ganhado repercussão nos noticiários. “O nosso problema é o grande número de furtos de cadeados, fios de luz, torneiras de metal, devido a muitos usuários de drogas, que é um problema de saúde pública e tem que ser combatido pela Fundação De Ação Social (FAS)“, destaca Santos.

A reclamação do presidente remete às inúmeras reportagens sobre furtos de materiais de metal, cabos de internet e de energia elétrica que vem sendo destaque nos jornais. Como já mostrou a Tribuna em uma reportagem de julho de 2021, por exemplo, a Guarda Municipal fechou o cerco contra roubo de materiais recicláveis roubados. Na época, foi deflagrada uma etapa da operação Metal Nobre, uma série de fiscalizações em locais de recebimento de materiais recicláveis, em Curitiba. As vistorias foram feitas a partir de denúncias feitas pela população sobre receptação de materiais roubados.

Roubo de cadeados, cabos e torneiras em bairros de Curitiba
“O nosso problema é o grande número de furtos de cadeados, fios de luz, torneiras de metal”, revelou Amarildo dos Santos, presidente do Conseg da região. Foto: Leonardo Coleto/Tribuna do Paraná.

Durante a pandemia de coronavírus, segundo Santos, aumentou muito o número de usuários de drogas na região. “Os mesmos residem próximo das biqueiras do bairro Parolin. Esses elementos se deslocam até os bairros Lindóia, Guaíra e Fanny para roubar e fazer os furtos, para manter os seus vícios”, argumenta.

LEIA MAIS:

>> Engorda de Matinhos avança e faixa mais “larga” se aproxima das pedras

>> Algazarra, abusos sexuais, brigas e álcool: Centro Cívico não aguenta mais

Ainda conforme o presidente, a circulação de usuários tem causado muita insegurança na área do Único Fanny, “uma vez que, os furtos nas residências geralmente são praticados pelos usuários”, reclama Santos.

Outro problema da região é a questão da perturbação do sossego, que também é motivo de reclamação em outros bairros da capital, como no Centro Cívico. Santos diz que, em determinados dias e horários, são problemas apontados pela comunidade, que reclama da falta de atendimento por parte do poder público. Como solução, “o Conseg Único Fanny sempre orienta a população a fazer o boletim de ocorrência, para entrar nas estatísticas do governo estadual”, explica Santos.

Por fim, outra ação que busca solucionar os problemas de segurança na região são as conversas com as forças de segurança do poder público. “Uma vez por mês, nós, como comunidade, sempre propomos, em conversa com as forças de segurança da Polícia Militar, Guarda Municipal e Polícia civil, um aumento do efetivo com ações de rotina para passar uma maior segurança aos moradores”, finaliza.

São 19 Consegs espalhados por Curitiba

Curitiba conta com 19 Consegs espalhados pela capital atuando para resolver os problemas nas regiões, que são variados: desde ondas de arrombamentos, problemas com jovens, tráfico de drogas, praças e parques que viraram mocós. Anos de atuação fizeram dos Consegs ferramentas especiais para compreender as necessidades de cada um dos bairros da capital.

Por isso, a reportagem da Tribuna do Paraná entrou em contato com cada um deles para entender as dificuldades de cada região. Como é feito esse trabalho em Curitiba você acompanha na série de reportagens feita exclusivamente pelos repórteres da Tribuna Alex Silveira, Gustavo Marques e Eloá Cruz.

Onde achar o Conseg?

Caso queira ir em um Conseg próximo de casa para ser voluntário ou mesmo para fazer uma reclamação ou pedido, procure no site da Ceconseg o conselho mais perto da sua região, ou entre em contato via e-mail ( conseg@sesp.pr.gov.br) e telefone  (41) 3299-7928.

Outros Consegs de Curitiba

Água Verde: Exemplo de gestão por trás do melhor IDH de Curitiba

Alto Boqueirão: Crime entre facções, tráfico de drogas e furtos: as ‘pedras no sapato’ do Conseg Alto Boqueirão

Batel: No bairro mais rico de Curitiba, luxo atrai a violência e causa medo

Cajuru: ‘Mapeamento da violência’ vira estratégia de segurança no Cajuru

Capão Raso: Furtos que alimentam o tráfico tiram o sossego dos moradores

Centro Cívico: Algazarra, abusos sexuais, brigas e álcool: Centro Cívico não aguenta mais

Guabirotuba: Bairro sofre com roubo de celulares, ‘saidinha’ de banco e furtos

Jardim Botânico: Moradores de rua, tráfico de drogas e furtos: O Jardim Botânico “escondido” atrás da estufa

Jardim Social: Mais de 100 câmeras afastam a violência no bairro Jardim Social

Lindoia, Fanny e Novo Mundo: Furtos de metal já são triste cotidiano no Lindoia, Fanny e Novo Mundo

Mercês e Vista Alegre: Confusões da boemia de Curitiba ‘respingam’ nas Mercês e Vista Alegre

Portão: Cheio de vida, bairro conquistou próprio módulo da PM

São Braz: Ameaças em avenidas e “vagas impossíveis”. Problemas no São Braz vão além da segurança

Pantanal

Zuleica não aceita morar na fazenda com os filhos

Além da Ilusão

Davi expulsa Iolanda de casa

Novidades da Netflix

Filmes e séries que chegam à Netflix nesta semana

Estreia da semana

5 curiosidades sobre “O Telefone Preto”