Uma quadrilha de assaltantes que aterrorizava comerciantes do Cajuru foi presa, na tarde de ontem, por policiais militares da Rone (Rondas Ostensivas de Natureza Especial). O bando invadiu um salão de beleza e um dos ladrões – um adolescente de 14 anos -apontou a arma para um bebê, de 25 dias, que estava no colo da mãe.

Sandra Maria de Oliveira, 35 anos, acusada de ser a líder da quadrilha; Paulo Henrique da Silveira, 18; Emerson de Oliveira Araújo, 19, e William Douglas Dias Pereira, 19, foram presos e encaminhados ao Centro de Atendimento Integrado ao Cidadão (Ciac-Sul), no Portão, para serem autuados em flagrante por roubo. O garoto foi apreendido com seu irmão de 15 anos. Os dois foram levados à Delegacia do Adolescente e reconhecidos pelas vítimas. Dos presos, apenas Paulo tinha passagem pela polícia, por furto.

Gol

Segundo o tenente da Rone, Luciano Martins de Souza, por volta das 15h, a quadrilha chegou ao estabelecimento, na Rua Amador Bueno, no Gol placa CDB-8491, da irmã de Paulo. Emerson, William e os dois adolescentes entraram no salão e exigiram o dinheiro do caixa, enquanto Sandra e Paulo permaneceram no veículo. Além da proprietária do salão e da mãe com o bebê, outras duas pessoas foram assaltadas. “William e o garoto de 14 anos estavam armados e o adolescente apontou a arma para a criança dizendo que iria matá-la caso o dinheiro não fosse entregue”, contou o tenente.

Os bandidos fugiram levando R$ 160 e os celulares das vítimas. A PM foi chamada e quatro viaturas da Rone cercaram as principais vias de acesso ao Cajuru. Poucos depois, o bando foi preso na Rua Rio Paraná, Weissópolis, em Pinhais, onde moram Paulo e os adolescentes. O restante reside no Jardim Acrópole, Cajuru. Dentro do Gol, os policiais encontraram dois revólveres, calibres 32 e 38, e os pertences das vítimas.

O tenente informou ainda que, pelas características do carro, a quadrilha teria sido responsável por pelo menos outros cinco assaltos.

Minutos de terror

Fábio Schatzmann

A pequena Yasmin, de 25 dias, não chorou durante os quase cinco minutos em que o ladrão de 14 anos ficou com a arma encostada em sua cabeça. A mãe, Nádia Cristina Martins, 29 anos, relembrou desesperada os momentos de terror que viveu com a filha, ao ver o salão invadido pelo bando e a filha à mercê do bandido. Ela contou que o assaltante encostou o revólver, calibre 38, e gritava por dinheiro, caso contrário iria matá-la. A criança estava no colo da cunhada, Bruna Luíza, 20 anos, que manteve a calma durante o roubo, o que garantiu a vida da criança.