O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), garante que a obra de troca de asfalto da Avenida Visconde de Guarapuava não vai gerar confusão no trânsito. A obra vai trocar 3,7 km de asfalto entre as ruas General Carneiro, no Centro, e a Cândido Xavier, no bairro Vila Izabel. A previsão é de que o trabalho dure entre 30 e 45 dias, se a chuva não atrapalhar.  

“Não vai haver confusão. Na hora de mamãe pegar o filhinho no colégio, a obra para”,  disse o prefeito no lançamento da obra na tarde desta segunda-feira (10). “Não vai atrapalhar as aulas porque nos horários de ir e vir, de manhã e à tarde, a obra não funciona. A obra é das 9 h da manhã às 5 h da tarde [nos dias de semana]”, ressalta o prefeito. Aos sábados, o trabalho será das 8h às 13h.

LEIA+ Cheia de rios canalizados, Curitiba pode sofrer com as chuvas e alagar como BH?

Prefeito de Curitiba, Rafael Greca, explica detalhes sobre as obras na Avenida Visconde de Guarapuava. Trânsito ficará complicado na região do Centro. A avenida terá bloqueios.

Posted by Tribuna do Paraná on Monday, February 10, 2020

As obras serão nas duas faixas da direita, ficando as demais quatro faixas, incluindo os dois lados do canteiro, liberadas para o trânsito. Para tentar organizar o trânsito, que normalmente já é bem complicado na avenida nos horários de pico, a Superintendência de Trânsito (Setran) fará um esquema especial para orientar os motoristas.

Entretanto, a principal orientação é para que os motoristas evitem passar pela Visconde de Guarapuava enquando o asfalto estiver sendo trocado. Além dos agentes de trânsito, placas serão instaladas para orientar os motoristas. “A minha turma sabe fazer. Vão fazer duas faixas de cada vez”, diz o prefeito.

Sobre o fato de a obra começar logo após o período de férias escolares, a Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMOP) explica que a prefeitura é obrigada a obedecer os prazos de licitação, bem como da execução da obra. Segundo a pasta, este cronograma bateu no período em que as aulas já retornaram. “A prefeitura pede desculpa pelos transtornos, que é momentâneo para melhorar a cidade”, reforça a pasta.

 De acordo com a própria Setran, desde quarta-feira (5), quando a maioria das escolas e faculdades voltou às aulas, o fluxo de carros nas ruas de Curitiba aumentou 30%.

Comerciantes animados

Proprietário de uma loja de máquinas que fica na pista da esquerda da Visconde, Alexandre dos Santos Dutra, 35 anos, espera que o asfalto novo diminua o ruído da passagem dos veículos na via. A loja dele está entre as ruas Dr. Faivre e Francisco Torres desde 2002. São 18 anos vendo o asfalto envelhecer. Mas, dessa vez, o comerciante não acha que o movimento sofrerá tanto impacto quanto na época da retirada das vagas de estacionamento da Visconde, que começou naquele trecho em 2006.

“O fim das vagas, sim, atrapalhou o movimento. Mas agora acho que precisava mesmo de um novo asfalto. O ruído dos carros aqui dentro da loja é alto por causa desse asfalto que está aí”, aponta Dutra.

Francisco Garcia, 75 anos, dono de uma farmácia do lado direito da Visconde, na esquina com a Dr. Faivre, por onde as obras passarão primeiro, se diz preparado para os transtornos. “Se é para o bem da cidade, temos que contornar os problemas. Só espero que fique bom”, disse.

Assim como o dono da loja de máquinas, Garcia também reclama que a retirada das vagas de estacionamento causou maior impacto no comércio. “Aquilo sim foi transtorno”, finaliza.