A nova ponte de madeira do Parque Tingui, que será erguida em até 30 dias a um custo de R$ 200 mil, vai ser substituída ano que vem por uma estrutura de concreto. A promessa foi anunciada nesta terça-feira (6) pelo prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN), em sua conta no Facebook, horas depois de a ponte ser interditada para conserto – mesmo com o buraco, a estrutura permaneceu aberta para o tráfego de veículos, inclusive os ônibus da Linha Turismo, que agora, com a interdição, teve o trajeto desviado.

“Agora vamos refazer a ponte em madeira – que ficará pronta em 30 dias – mas já pedi para a Secretaria de Obras Públicas elaborar o projeto de construção de uma ponte de concreto definitiva no local. Essa ficará pronta em 2019”, postou o prefeito. “A ideia é fazer a ponte em madeira até que o projeto de uma ponte definitiva, em concreto, fique pronto. Vai ser necessário porque essa rua tem grande tráfego na direção Vista Alegre e Santa felicidade”, concluiu o prefeito no áudio do vídeo divulgado na página no Facebook.

A reivindicação por uma ponte melhor é antiga entre os frequentadores do Parque Tingui e os moradores do bairro Vista Alegre. Em outubro de 2017, usuários já reclamavam do estado de conservação da ponte. Morador da região há mais de 40 anos, o empresário João Francisco de Souza é um dos que reclamaram diversas vezes no telefone 156 da prefeitura do estado de conservação da ponte. “Nem sei quantas vezes já liguei e me disseram que iam verificar minha reclamação”, relatou o empresário em entrevista à Gazeta há quatro meses.

A ponte do Parque Tingui, um dos principais cartões postais da cidade, foi comprometida por causa de um buraco de quase dois metros de comprimento por um metro de largura aberto no dia 24 de janeiro. Apesar da falha na estrutura, a Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMOP) só fechou a via no dia seguinte e voltou a reabri-la dia 26 de janeiro. No dia 25, a reportagem da Gazeta chegou a flagrar o ônibus da Linha Turismo passando pela ponte mesmo com operários trabalhando para tentar consertar o buraco.

Assaltos, arrombamentos e clima de insegurança afastam frequentadores do Parque Tingui