O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, informou por meio de um vídeo divulgado nesta quarta-feira (23), via Facebook, que a frota de ônibus não será reduzida na próxima quinta-feira (24), como anunciado anteriormente pela Urbs.

Greca disse que irá avaliar o estoque de combustível disponível para os ônibus e que, somente após está avaliação, determinará a redução ou não. Além disso, o prefeito solicitou reforço policial para garantir o abastecimento dos 1.285 ônibus que circulam na capital e Região Metropolitana .

“As notícias de bloqueios das estradas e de desabastecimento, me levam a avaliar os estoques de combustíveis disponíveis nas dez garagens que fornecem veículos que movem o transporte coletivo todos os dias. Só depois da avaliação dos estoques é que nós vemos tomar decisão de diminuição das frotas”, informou o prefeito durante a gravação.

Greca disse também que está cancelada a redução da frota divulgada anteriormente pela Urbs. “Somente se não houver possibilidade de manter o abastecimento, a Urbs vai avaliar a possibilidade de redução da frota para garantir o funcionamento do sistema por mais tempo”, relatou.

Acordo com as empresas

Em nota, o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) confirma o pedido feito pelo prefeito às empresas, para que seja mantida a operação normal, sem redução de frota, como a Urbs havia determinado. O sindicato confirma que as empresas vão cumprir o pedido e que seguem em contato direto com o poder público, em busca de soluções para o problema da falta de combustíveis devido ao protesto dos caminhoneiros.

Na RMC

De acordo com a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), as linhas metropolitanas vão operar com frota normal nesta quinta-feira (24). A decisão foi revista no início da noite desta quarta-feira, por determinação da governadora Cida Borghetti.

A Comec informa que já transmitiu a orientação para as empresas que prestam serviços de transporte nas cidades do entorno da capital. No total, o sistema metropolitano atende 19 municípios, com 205 linhas entre integradas com terminais de Curitiba, com ligação direta e alimentadoras.

Acompanhe: Greve provoca falta de combustíveis, alimentos e risco de parada no transporte público