Uma nova greve geral – a terceira do ano – foi marcada para 30 de junho e deve paralisar diversos serviços em todo o país. Em Curitiba, o atendimento em agências bancárias, assim como as aulas em escolas estaduais podem ser comprometidos no dia. Outras categorias devem decidir nos próximos dias se vão aderir ao movimento.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região, Elias Jordão, a greve mantém as pautas das paralisações anteriores. “A pauta principal é o combate às reformas, principalmente a trabalhista. Nesse momento, entra também a defesa que estamos fazendo às eleições diretas”, explica. A categoria decidiu pela adesão à greve em assembleia na última terça-feira (20). De acordo com o sindicato, o objetivo é fechar o maior número de agências possível. As ações para isso devem começar na região central da cidade e ir em direção aos bairros.

Quem evitar problemas devido ao fechamento agências com as portas fechadas no último dia útil do mês pode antecipar as transações bancárias presenciais.

Também já decidiram pela adesão ao movimento os professores da rede estadual da base da APP-Sindicato e os técnicos administrativos da Universidade Federal do Paraná (incluindo o Hospital de Clínicas) e da Universidade Tecnológica Federal do Paraná da base do Sinditest-PR. As assembleias foram realizadas nos dias 3 e 14, respectivamente.

Com isso, os alunos da rede estadual podem ficar sem aulas no dia. Nas universidades, serviços administrativos, assim como o atendimento nas bibliotecas e nos restaurantes universitários podem ser afetados. Os serviços administrativos e de atendimento ao público em ambulatórios do Hospital de Clínica também podem ficar comprometidos.

Os sindicatos dos funcionários dos Correios, dos servidores estaduais da saúde do Paraná e dos professores e técnicos administrativos do Instituto Federal do Paraná têm assembleias marcadas para os próximos dias para decidir a participação ou não na paralisação.

Servidores municipais

Devido à greve que está em andamento – suspensa no momento e com retomada marcada para segunda-feira (26) –, os professores e servidores municipais ainda não têm decisões com relação à participação na greve geral da próxima semana.

Até o momento, a informação tanto do Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismmac) quanto do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (Sismuc) é de que uma assembleia deve ser realizada na próxima segunda-feira, dia em que o projeto de ajuste fiscal volta à pauta na Câmara Municipal de Curitiba.