A Grow, empresa responsável pelas patinetes elétricas Grin e Yellow, confirmou terça-feira (10) que foi vendida para o fundo de investimentos dono do site de descontos Peixe Urbano, o Montain Nazca, e outras empresas da América Latina. O valor da compra não foi revelado. A operação faz parte de uma estratégia para continuar atuando no Brasil, inclusive em Curitiba, onde as bicicletas da Yellow foram recolhidas no fim de janeiro, exatamente um ano após serem disponibilizadas para aluguel.

Criada há um ano, a partir da fusão da mexicana Grin com a brasileira Yellow, a startup de mobilidade Grow nasceu já com a expectativa de se tornar rapidamente um “unicórnio” – como são conhecidas as empresas de tecnologia avaliadas em pelo menos US$ 1 bilhão. Mas a ambição não se concretizou. “A era do crescimento a qualquer custo acabou, o que não quer dizer que não seguimos comprometidos com o nosso negócio e nossos clientes”, afirma o novo CEO global da Grow, Roberto Álvarez Cadavieco.

LEIA TAMBÉM Crise da mobilidade: entenda por que as bikes compartilhadas foram recolhidas em Curitiba

Além de recolher as bicicletas em Curitiba, a Grow também recolheu patinetes de 14 cidades do Brasil em janeiro. Com isso, a empresa passou a operar exclusivamente com patinetes em apenas três cidades: Curitiba, São Paulo e Rio. “Estou muito otimista que as medidas que estamos tomando para otimização de recursos serão fundamentais para consolidar o mercado de micromobilidade. Assumi o desafio de sermos a primeira empresa de micromobilidade rentável do mundo”, destaca Cadavieco.

LEIA TAMBÉMFim da Yellow Bike em Curitiba: saiba como recuperar o valor dos créditos pré-pagos

Cemitério de bikes

Antes de serem recolhidas em Curitiba, as bicicletas amarelas ficaram depositadas em uma espécie de “cemitério de bikes” em um terreno no bairro Rebouças, conforme a Tribuna do Paraná flagrou no começo de janeiro. Quando foram recolhidas no dia 22 de janeiro, a Grow afirmou que iria verificar as condições das bicicletas com o objetivo de devolvê-las às ruas. Agora, com esta negociação, o futuro delas segue incerto – no comunicado da venda da Grow não foi informado o destino das bikes.