Aproximadamente cem pessoas – entre integrantes de movimentos contra corrupção de Curitiba e moradores do bairro Santa Cândida – participavam de um ato, na noite desta segunda-feira (14), pedindo o fim da vigília feita por apoiadores do ex-presidente Lula na região da Superintendência da Polícia Federal. O petista está preso no local desde 7 de abril. Gritos de “Desocupa Santa Cândida”, buzinaço e foguetes marcavam o ato.

Leia também: Prisão de Lula e acampamento de manifestantes no entorno da PF completam um mês

Os moradores reclamam da reunião de petistas nos arredores da PF. Apesar de as barracas para pernoitar terem sido retiradas do local e transferidas para um terreno particular, o acordo feito permite a continuidade da vigília pró-Lula no local até as 21 horas. O som é permitido até as 19h30.

Manifestantes pedem que o acampamento Pró-Lula deixe o bairro. Foto: Lineu Filho
Manifestantes pedem que o acampamento Pró-Lula deixe o bairro. Foto: Lineu Filho

Boa causa

Uma das moradores que apoiavam o ato era Adriane Nadolny, promotora eventos, que considera que a manifestação pode unir os vizinhos. “Já não é a primeira vez que esse grupo [contra a corrupção] faz manifestações aqui, mas eles vêm rapidinho, fazem a manifestação e logo vão embora. Eu acho bacana porque incentiva a solidariedade entre os vizinhos. Se for algo pontual assim não incomoda”, afirmou.

Outra residente do Santa Cândida, apesar do foguetório, considerou que a manifestação era por uma boa causa.“Incomoda um pouquinho na questão de ter bloqueio e foguetório, mas é por uma boa causa, porque o grupo de lá [pró-Lula] é que esta incomodando de verdade. A gente não pode sair de casa direito, tem que ficar dando voltas”, relatou Teresa dos Santos Martins, auxiliar de serviços gerais.

Discussão

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/05/14/Curitiba/Imagens/Vivo/WhatsApp Image 2018-05-14 at 19.53.32.jpeg
Foguetório polêmico marcou o protesto. Foto: Lineu Filho

 

A manifestação contava com o apoio dos moradores do bairro, mas não era unanimidade. Uma discussão ocorreu durante o ato por causa dos foguetes e das buzinas. Michael dos Santos, auxiliar administrativo, um dos moradores da região, está com o filho de 2 anos doente e reclamou do barulho no protesto. Segundo ele, os manifestantes anti-PT utilizavam os mesmos meios para protestar do que militantes pró-Lula.

Leia mais: Ataque a tiros ao acampamento contra prisão de Lula deixa duas pessoas feridas

“Todo mundo tem direito de manifestar, mas tem horário para isso. Não adianta querer apagar fogo com fogo. Meu filho tem medo de foguete. Eu acho que não precisava de todo esse barulho. Mas eu conversei com o pessoal [anti-PT] e eles disseram que vai ser rapidinho.Vou colocar algodões no ouvido do meu filho para ele não se assustar” , afirmou Santos.

Resistência

Em nota, a comunicação da Vigília Lula Livre informou que a “Praça Olga Benário” ficou cheia na noite desta segunda-feira, durante o “Boa Noite Lula”, em mais uma prova de resistência democrática e pacífica.

“Lamentamos e denunciamos que novamente a manifestação realizada pelo grupo contrário à Vigília desrespeitou os acordos firmados com as autoridades, desta vez lançando foguetes depois do horário estabelecido das 19h30. Da nossa parte, nosso ânimo continua firme e estaremos aqui, participando das atividades até libertar Lula“, afirma o comunicado.

‘Curitiba vai virar um inferno’, ameaçam apoiadores de Lula em vídeo