O bairro Guabirotuba, em Curitiba, faz vizinhança com o Jardim das Américas, Prado Velho, Hauer e Uberaba. São cerca de 12 mil moradores na região, segundo o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), com dados de um levantamento de 2017. Pelo Guabirotuba passa a famosa Avenida Senador Salgado Filho e o atrativo turístico mais conhecido é a Praça Abílio de Abreu. Além da beleza da vista que ela proporciona, principalmente ao pôr do sol, ainda tem espaço para andar de skate e de carrinho de rolimã.

>> Tudo sobre a série especial da Tribuna sobre os Consegs de Curitiba

O bairro é antigo. Começou a se desenvolver na capital a partir de um matadouro municipal foi fundado em 1899, mas que não existe mais. Durante seu desenvolvimento, o Guabirotuba recebeu até o bonde elétrico, que vinha da Praça Tiradentes transportando os cidadãos até o bairro. Atualmente, o Guabirotuba abriga um dos hortos municipais de Curitiba.

Começou a se desenvolver na capital a partir de um matadouro municipal foi fundado em 1899.
Começou a se desenvolver na capital a partir de um matadouro municipal foi fundado em 1899. Foto: Reprodução/ Público Municipal.

O presidente do Conseg do Guabirotuba é o administrador e corretor de imóveis José Luiz Alves Júnior, 62 anos. Ele está no segundo mandato e também é vice-presidente da Associação dos Moradores.

Apesar de ser um bairro considerado um dos mais pacatos de Curitiba, com muitas ruas sem saída, pouco movimento em relação ao Centro da cidade, por ser mais afastado, a região também tem seus problemas. Entre eles, apontados por Júnior Alves, estão os roubos de celulares, saidinha de banco, pequenos furtos e invasões a casas e comércios. “Também corridas de moto na Avenida Comendador Franco, às sextas-feiras e aos sábados à noite. Muita velocidade e barulho”, diz.

LEIA MAIS:

>> Furtos de metal já são triste cotidiano no Lindoia, Fanny e Novo Mundo

>> Engorda de Matinhos avança e faixa mais “larga” se aproxima das pedras

>> Algazarra, abusos sexuais, brigas e álcool: Centro Cívico não aguenta mais

Júnior Alves aponta, também, sérios problemas com a Praça Abílio de Abreu (a pista de skate). “Muita bagunça, som alto, drogas, bebidas, perturbação do sossego, principalmente nos finais de semana”, diz Júnior Alves. E o local é mesmo movimentado, com visitantes até das cidades da região metropolitana de Curitiba.

Praça Abílio de Abreu abriga alguns problemas levantados pelos Conseg do Guabirotuba.
Praça Abílio de Abreu abriga alguns problemas levantados pelos Conseg do Guabirotuba. Foto: Arquivo/Tribuna do Paraná.

Importância do BO

Segundo o presidente, para tentar contornar os problemas, o Conseg Guabirotuba orienta os moradores a sempre registrarem o boletim de ocorrência em caso de furto/roubo. “Nos reunimos sempre com o comando do 20.º Batalhão da Polícia Militar e combinamos rondas e a presença de policiais nos locais de comércio e na praça Abílio de Abreu. Usamos muito a Central 156, da prefeitura, e orientamos o uso do contato da Guarda Municipal (153), em caso de urgência e emergência policial”, explica Júnior Alves.

+Leia mais! Moradores de rua, tráfico de drogas e furtos: O Jardim Botânico “escondido” atrás da estufa

O Conseg destaca que a Guarda Municipal sempre faz rondas no bairro e na praça no final de semana. O conselho também faz reuniões com a comunidade, com a presença dos membros natos (PM, GM e Polícia Civil) e da Regional da prefeitura de Curitiba.

E, como forma de incentivo para a comunidade, o Conseg faz campanhas educativas para o descarte consciente do lixo, preservação das praças, do rio que corta o bairro e repassa avisos de temas relevantes para o bem-estar do bairro.

+Confraria041! Que tal participar de um clube de descontos exclusivo, que já premiou dezenas de leitores da Tribuna? Acesse e cadastre-se na lista de espera!

 Atualmente, o Guabirotuba abriga um dos hortos municipais de Curitiba.
Atualmente, o Guabirotuba abriga um dos hortos municipais de Curitiba. Foto: Arquivo.

Onde achar o Conseg?

Caso queira ir em um Conseg próximo de casa para ser voluntário ou mesmo para fazer uma reclamação ou pedido, procure no site da Ceconseg o conselho mais perto da sua região, ou entre em contato via e-mail ( conseg@sesp.pr.gov.br) e telefone  (41) 3299-7928.

Nas próximas reportagens, você vai saber mais detalhes sobre os problemas de cada região e como os presidentes dos conselhos estão trabalhando para revolver cada um deles. Fique de olho aqui na Tribuna!

Outros Consegs de Curitiba

Água Verde: Exemplo de gestão por trás do melhor IDH de Curitiba

Alto Boqueirão: Crime entre facções, tráfico de drogas e furtos: as ‘pedras no sapato’ do Conseg Alto Boqueirão

Batel: No bairro mais rico de Curitiba, luxo atrai a violência e causa medo

Cajuru: ‘Mapeamento da violência’ vira estratégia de segurança no Cajuru

Capão Raso: Furtos que alimentam o tráfico tiram o sossego dos moradores

Centro Cívico: Algazarra, abusos sexuais, brigas e álcool: Centro Cívico não aguenta mais

Guabirotuba: Bairro sofre com roubo de celulares, ‘saidinha’ de banco e furtos

Jardim Botânico: Moradores de rua, tráfico de drogas e furtos: O Jardim Botânico “escondido” atrás da estufa

Jardim Social: Mais de 100 câmeras afastam a violência no bairro Jardim Social

Lindoia, Fanny e Novo Mundo: Furtos de metal já são triste cotidiano no Lindoia, Fanny e Novo Mundo

Mercês e Vista Alegre: Confusões da boemia de Curitiba ‘respingam’ nas Mercês e Vista Alegre

Portão: Cheio de vida, bairro conquistou próprio módulo da PM

São Braz: Ameaças em avenidas e “vagas impossíveis”. Problemas no São Braz vão além da segurança

Pantanal

Zuleica não aceita morar na fazenda com os filhos

Além da Ilusão

Davi expulsa Iolanda de casa

Novidades da Netflix

Filmes e séries que chegam à Netflix nesta semana

Estreia da semana

5 curiosidades sobre “O Telefone Preto”