Duas portas da Igreja Nossa Senhora do Rosário, construída por escravos alforriados no século 18 no Largo da Ordem, no bairro São Francisco, seguem pichadas nesta quarta-feira (22), em Curitiba. A pichação ocorreu no sábado (25), e até o momento ninguém foi responsabilizado pelo crime.

LEIA TAMBÉMObra no viaduto do Tarumã, em Curitiba, tem edital lançado. Veja como vai ficar!

Segundo o padre Luiz Hass, essa foi a primeira vez que a pichação ocorreu nas portas de entrada da Igreja. “A gente fica muito triste com essa situação. Das vezes anteriores, teve na lateral e na escada. Confesso que não entendo o motivo”, relatou o padre.

A limpeza das portas deveria ter ocorrido na terça-feira (21), por uma organização não governamental. “Eles não vieram, mas acredito que venham ainda hoje. Eles nos ajudam”, comentou Luiz Hass.

LEIA AINDA –  “Dói na alma”, desabafa avó de bebê com queimaduras após teste do pezinho em hospital de Curitiba

Em 2018, um homem de 34 anos foi detido pela Guarda Municipal ao ser flagrado pichando a escadaria da Igreja do Rosário e outros imóveis no Largo da Ordem, em Curitiba.

Protesto e polêmica

Em fevereiro deste ano, o então vereador Renato Freitas (PT), participou de um ato na Igreja Nossa Senhora do Rosário, durante uma missa, interrompendo a celebração. Na oportunidade, a Arquidiocese de Curitiba repudiu a ação. A manifestação política durante o culto religioso resultou na cassação do mandato de Renato Freitaspor quebra de decoro parlamentar.

“A posição da Arquidiocese de Curitiba é de repúdio ante a profanação injuriosa. Também a Lei e a livre cidadania foram agredidas. Por outro lado, não se quer “politizar”, “partidarizar” ou exacerbar as reações. Os confrontos não são pacificadores. O que se quer agora é salvaguardar a dignidade da maravilhosa, e também dolorosa, história daquele Templo”, reforçou em nota a Arquidiocese

“Igreja dos Mortos” e “Santuário das Almas”

A primeira igreja do Rosário foi construída por e para os escravos, inaugurada em 1737, em estilo colonial. Foi o terceiro templo de Curitiba, depois da matriz e da Igreja da Ordem. Com a abolição da escravatura passou a ser conhecida como “Igreja dos Mortos” e “Santuário das Almas”, títulos originados da antiga tradição de se realizar missas de corpo presente, dada a sua localização, no caminho dos cortejos fúnebres que seguiam ao Cemitério Municipal, e atualmente pela missa diária aos falecidos das últimas 24 horas.

VIU ESSA? Dia Mundial do Fusca: conheça a história do carro famoso como Fuscão Preto, Herbie, carro de Hitler e do Itamar

Foi a igreja matriz da cidade de 1875 a 1893, durante a reconstrução da atual Catedral Metropolitana, na Praça Tiradentes. Sua fachada preserva azulejos da igreja original e seu interior abriga azulejos portugueses que contém representações dos Passos da Paixão.

Foi demolida em 1931, um ano após o falecimento de Monsenhor Celso, pároco da cidade e curador da Catedral, que idealizou a nova obra e angariou recursos para sua construção, que posteriormente passou a abrigar seu túmulo.

Tombada pelo município de Curitiba em 2016, é uma Unidade de Interesse de Preservação (UIP) , pois mantém as características da arquitetura neocolonial da cidade.

Pantanal

Zuleica está preocupada com Marcelo

Instagramáveis

Saiba onde encontrar as lindas cerejeiras em Curitiba

Novidades da Netflix

Volume 2 de Stranger Things 4 e mais séries e filmes chegam nesta semana

Além da Ilusão

Joaquim termina seu noivado com Isadora