Será lançado oficialmente em outubro o programa de preservação e revitalização da região central de Curitiba, que engloba imóveis do Centro Histórico. Quatorze imóveis públicos municipais receberão nova pintura, principalmente por causa da pichação. O projeto prevê a recuperação dos prédios dentro de uma área de dois quilômetros quadrados do setor histórico e Centro, com investimentos em torno de R$ 4,8 milhões, em parceria com a Associação Comercial do Paraná (ACP), os proprietários de imóveis do centro tradicional e a iniciativa privada. O nome adotado para o programa é “Rosto da Cidade”.

O conjunto de prédios que integram o Conservatório de MPB e o Solar dos Guimarães fará parte de primeira fase do Rosto da Cidade. “Os jovens têm espaço para se expressar em galerias de arte e demais espaços da cultura, com locais para o grafite. Não tem cabimento destruir imóveis públicos e privados. Vamos combater isso usando a tecnologia antipichação”, disse o prefeito Rafael Greca (PMN) ao site da prefeitura.

O responsável pela tecnologia antipichação que é aplicada por sobre a tinta, Fabiano Polak, lembrou que o Paço Municipal, as praças Espanha e Afonso Botelho já contam com a proteção do material impermeabilizante, num total de nove endereços públicos da cidade. “É um sistema de proteção do patrimônio contra poluição, pichações, infiltração, urina e vandalismo”, explicou.

O estado de conservação da região central de Curitiba é tema recorrente na pauta da prefeitura e da iniciativa privada. As reclamações vão desde a falta de segurança pública na região, degradação dos imóveis históricos e má utilização dos locais. Na Rua São Francisco, por exemplo, em julho deste ano a prefeitura anunciou que iria revitalizar calçada e instalar estrutura para impedir veículos de estacionar sobre ela, para evitar novos danos.

+Leia mais: No primeiro dia da primavera, temperatura pode chegar aos 30°C em Curitiba!

Etapas

O projeto terá quatro etapas previstas. “A ideia é começar pelos prédios da prefeitura e igrejas históricas e depois avançar em edificações particulares, a partir de convênio com proprietários a ser costurado pela Procuradoria do Município”, explicou o prefeito.

A segunda etapa do Rosto da Cidade compreende o Largo da Ordem, desde a Rua João Manoel (Praça João Cândido) até a Rua Barão do Serro Azul; e a Rua São Francisco, desde a Rua Barão do Serro Azul até a Rua Presidente Farias. A recuperação do pavimento da Rua São Francisco integra o projeto e deve ter início no primeiro trimestre do ano que vem.

A terceira etapa envolve as Praças Tiradentes, Borges de Macedo e Generoso Marques; a quarta etapa será o eixo entre as Ruas Barão do Rio Branco e Riachuelo e a quinta etapa a Rua Trajano Reis, desde o Setor Histórico até a Praça do Gaúcho.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Confira os imóveis da primeira fase do Projeto Rosto da Cidade:

1. Casa Hoffmann

2. Casa Romário Martins

3. Casa da Memória

4. Memorial de Curitiba

5. Arcadas de São Francisco

6. Palacete Wolf

7. Casa do Artesanato

8. Conservatório de Música Popular Brasileira

9. Solar dos Guimarães

10. Cinemateca

11. Novelas Curitibanas

12. Cemitério Municipal

13. Solar do Barão

14. União Paranaense dos Estudantes

Primeira lombada eletrônica de Curitiba fica no Xaxim? Errou! Tribuna esclarece esta história!