Acostumado a manhãs movimentadas, com a circulação de centenas de pessoas por hora, o Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, amanheceu irreconhecível nesta quarta-feira (18). A falta de gente no saguão é efeito do medo causado pela pandemia de coronavírus.

Por volta das 10h, poucas dezenas de pessoas circulavam pelo maior terminal aéreo do Paraná. O que se via eram saguões, lojas e lanchonetes quase às moscas.

LEIA MAIS – Polícia prende homem que organizou no Facebook evento pra propagar coronavírus no Largo da Ordem

De acordo com uma funcionária da Infraero, a queda no movimento bateu pelo menos 50% em relação a um dia normal. Entre as 5h35 e 11h45, dez voos foram cancelados, somente 23 foram confirmados. A taxa supera e muito o número de cancelamentos de uma quarta-feira normal, quando a suspensão de voos é eventual e se dá por questões climáticas, na maioria das vezes.

Somente a Azul Linhas Aéreas desmarcou seis voos para esta manhã. Na segunda-feira (16), a companhia já havia anunciado que suspenderia operações em várias cidades por “queda na demanda”. Os voos da manhã desta quarta deixaram na mão passageiros que iriam para o interior do Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

“Visando equilibrar a demanda e a oferta, a Azul está realizando ajustes em sua malha doméstica e internacional. Ao todo, a companhia está reduzindo sua capacidade consolidada de 20% a 25% no mês de março e entre 35% a 50% em abril e meses seguintes até que a situação se normalize. A Azul ressalta ainda que já trabalha na reacomodação dos clientes afetados pelas alterações”, apontou a companhia em nota.

VEJA TAMBÉM – Farmácia de Curitiba dá exemplo e doa álcool gel pra prevenir coronavírus

“Provavelmente, algumas operações em Curitiba podem ser afetadas em alguns dias, mas, infelizmente, não temos como fazer recortes por cidade/estado”, descreveu a Azul, ao ser questionada sobre número de passageiros impactados.

Mesmo no check-in da Gol, que desmarcou apenas um voo, a cena contrastava com a rotina movimentada. Um funcionário responsável pelo auxílio nos procedimentos de embarque afirmou que o movimento caiu pela metade de terça para quarta-feira.

Desembarques

As chegadas também foram impactadas. Sete voos com destino a Curitiba não decolaram – como comparação, 21 chegaram à capital paranaense. Os dados da Infraero são das primeiras doze horas desta quarta-feira.

Somente os guichês de compra e troca de passagens apresentavam pequenas filas – resultado da realocação necessária dos passageiros. “Só vim porque é muito importante esta viagem e não tinha como desmarcar. Mas vamos repensar esses deslocamentos nesta semana”, disse Ítalo Zincchini, representante comercial que buscava lugar em uma aeronave com destino ao Rio Grande do Sul. Ele, como a maior parte dos passageiros e funcionários do aeroporto, usava máscara de proteção para evitar contágio pelo novo coronavírus.

Lanchonetes

Funcionária da Lanches Popular, no terceiro piso do aeroporto, uma das mais movimentadas do terminal, Osana Lima indica que o movimento caiu 90% nesta quarta-feira. Sem fluxo, ela e uma companheira de trabalho acompanhavam as notícias do coronavírus em uma tevê instalada para os clientes. Ela não sabe precisar quantas pessoas costumam fazer refeições no local, mas indica que momentos de “folga” como aqueles são impossíveis em dias normais.

SAIBA MAIS – Prefeitura de Curitiba dobra atendentes na central do coronavírus após reclamações

O clima de marasmo também era visível nos motoristas de táxis e ônibus fretados. Com pouca saída, as áreas de espera ficaram cheias de carro e ônibus parados.

O medo pode ser medido pelo fluxo de compras em uma farmácia instalada na área de embarque do aeroporto. De acordo com um dos funcionários, o movimento caiu bruscamente. Em compensação, a venda de itens de proteção aumentou, como de álcool gel de 100 ml (a R$ 10 o frasco). Somente em máscaras, a farmácia vendeu mais de mil unidades (R$ 4) nos últimos dois dias. Antes, a venda desse ítem “quase não existia”, diz.

Como prevenir a contaminação por coronavírus

  • Lavar as mãos com frequência/ ou utilizar álcool 70%, principalmente antes de consumir algum alimento;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca, higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter ambientes bem ventilados, evitar contato próximo com pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações;
  • Pessoas com sintomas de infecção respiratória aguda devem praticar etiqueta respiratória (cobrir a boca e nariz ao tossir e espirrar, preferencialmente com lenços descartáveis, e depois lavar as mãos).

Baixe o guia de prevenção para compartilhar!

Imprima esse guia em PDF com informações sobre a prevenção do Coronavírus e outras doenças respiratórias virais: