Os impasses que atrapalhavam a vida das mais de 70 mil pessoas que freqüentam diariamente o Terminal do Alto Maracanã em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, estão com data prevista para terminar.

A promessa da Coordenadoria da Região Metropolitana da Curitiba (Comec) e da Urbanização de Curitiba (Urbs) é que tanto o terminal do Alto Maracanã quanto o do Guaraituba – recém-construído e sem utilização desde o final do ano passado – estejam em funcionamento a partir do dia 29 de novembro. O acordo foi apresentado ontem ao Ministério Público Federal (MPF) do Paraná, por representantes dos dois órgãos.

Ao todo, R$ 6 milhões provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) serão investidos nas intervenções. A intenção é que, até esta data, o Terminal do Alto Maracanã esteja reformado e o do Guaraituba com seu funcionamento liberado para receber as linhas de ônibus da região.

Em conseqüência do início do funcionamento do Terminal do Guaraituba, o Terminal do Cabral, em Curitiba, também será submetido a reformas, para abrigar linhas que unirão os dois terminais.

Até quinta-feira, a Comec e o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) – responsável pelo projeto de reforma do Terminal do Cabral – estabelecerão os pontos necessários para a licitação e contratação da obra de reforma do terminal. A Urbs informou que todas as alterações serão concluídas no prazo, a não ser que algum fator referente às obras atrase sua finalização.

Discussões

O impasse entre a Comec e a Urbs sobre as modificações no Terminal do Alto Maracanã acontece desde agosto do ano passado, quando pela segunda vez em 11 anos, os dois órgãos renovaram o convênio que permitiu a integração do sistema de transporte coletivo.

Já em abril deste ano, a discussão voltou à tona quando a Comec, justificando o término das obras no Terminal do Alto Maracanã, anunciou que teria que interditar o local, solicitando à Urbs a transferência de parte da demanda para o Terminal Guaraituba, às margens da Estrada da Ribeira, pronto desde o final do ano passado e ainda sem operação. Na época, a transferência não aconteceu porque a Urbs argumentou que o terminal estava sem condições de receber a demanda do Alto Maracanã.

Já em maio, a Urbs apresentou quatro alternativas para começar a operar o Terminal Guaraituba. No entanto, para realizar qualquer uma delas, a Comec afirmou que seria necessário muito investimento.

Agora, a solução desse problema pode estar próxima, pois tanto a Comec quanto a Urbs cumpriram o que haviam prometido na reunião da última quinta-feira e apresentaram ao MPF o prazo para o termino do imbróglio.