Um incêndio florestal destruiu cerca de 5 mil m² de área verde no Parque Estadual do Monge, na Lapa. As chamas começaram por volta das 17h30 deste domingo (19) em uma área afastada do parque da Região Metropolitana de Curitiba, mas se alastrou rapidamente, chegando ao acesso principal. Ninguém ficou ferido.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, um caminhão e uma viatura da corporação foram acionados para controlar as chamas e ao menos cinco bombeiros trabalharam no combate. Agentes da Polícia Ambiental e colaboradores do parque também auxiliaram no trabalho, que durou mais de três horas.

O vigilante Bernardo José Sill trabalhava no momento em que o incêndio começou e acredita que ele tenha sido criminoso. “Uma visitante veio me avisar por volta das 17h30 que alguns adolescentes tinham colocado fogo no mato em uma curva mais baixa do parque”. Mesmo não sendo possível avistar as chamas da guarita principal onde ele estava, o vigilante informa ter acionado imediatamente os bombeiros e a Polícia Ambiental. “Nesse tempo, a mulher acabou indo embora, então não pegamos mais detalhes do que teria acontecido”, disse.

No entanto, o fogo se alastrou rapidamente e também foi visto a três quilômetros do parque. “Eu estava na sacada do edifício em que meu pai mora quando percebi um clarão na direção do Parque Estadual do Monge. Começou como uma bolinha, mas logo aumentou”, relatou o diretor de Turismo do município, Marcio Assad. Diante da situação, ele acionou a Defesa Civil da Lapa e seguiu para o ponto turístico em chamas.

Segundo ele, o incêndio foi controlado por volta das 21h e não afetou a estrutura construída no local. “As labaredas chegaram muito perto de uma residência e também da guarita que fica na entrada do parque, mas os bombeiros conseguiram apagar o fogo a tempo”, informou o diretor, que registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Polícia Civil na manhã desta segunda-feira (20). “Agora, esperamos que a população denuncie os responsáveis”, solicita Assad.

Incêndios em vegetação

Segundo o Corpo de Bombeiros, incêndios como esse têm sido frequentes no estado do Paraná devido à falta de chuva nas últimas semanas e à baixa umidade do ar. Dados da corporação informam que já foram registradas 6.092 situações dessa natureza entre janeiro e a segunda quinzena de agosto, número maior que o total de ocorrências nos 12 meses de 2017.

“O clima é um dos principais fatores que podem causar um incêndio. Quando ficamos um longo tempo sem chuva, o mato fica muito seco e qualquer fogo se alastra rapidamente, ao contrário de uma época de chuva, que não acontece essa propagação rápida. Temos outros fatores, mas esse com certeza é um dos mais expressivos”, explica a capitã Rafaela Diotalevi.

Onde há fumaça…