MAIO_AMARELO

Esse dado é dos moradores. Segundo a Superintendência de Trânsito (Setran), de 2015 a 2017, houve apenas um registro de acidente no local – de acordo com as informações enviadas ao órgão pelo Batalhão de Polícia de Trânsito.

A gerente administrativa Cleriz Stadler, 56, moradora da Rua Fernandes de Barros há 15 anos, se lembra de como o cruzamento era perigoso e da dificuldade inicial em convencer a prefeitura a colocar uma rotatória para funcionar. “Os motoristas passavam por ali em alta velocidade. Como ninguém se entendia na preferencial, cansamos de ver batidas e capotamentos”, relembra. Segundo ela, os vizinhos fizeram várias reclamações para a prefeitura e chegaram a elaborar um projeto que explicava a eficiência de uma rotatória no cruzamento. “Mas eles insistiam para solicitarmos um semáforo”.

Mesmo assim, os moradores seguiram insistindo e conseguiram fazer com que a administração municipal pelo menos testasse a proposta popular. E deu certo. “O departamento veio fazer um teste, colocando cones onde seria o espaço da rotatória. O teste durou 15 minutos. Além dos carros passarem mais devagar por ali, os motoristas não se confundiam mais com a preferencial”, conta Cleriz. Com isso, a rotatória foi, enfim, instalada.

De acordo com a Setran, rotatória não foi idealizada pelos moradores, mas foi uma solução prevista nos manuais de sinalização do Conselho Nacional de Trânsito, sugerida por eles.

Veja também: Após repercussão, prefeitura isola com tapumes área de cratera no Mossunguê

Ainda assim, a luta para resolver o problema no trânsito acabou unindo os vizinhos do Hugo Lange. O segurança Janderson Santana da Silva, 37, que trabalha em uma escola infantil na esquina da rotatória, conta que o Conselho Comunitário de Segurança do Hugo Lange funciona a todo o vapor. “Até eu que só trabalho aqui fico sabendo do que acontece”, revela. Além disso, Santana é testemunha diária de que a rotatória funciona. Uma das funções dele é ficar na frente da escola e auxiliar os pais na hora de buscar as crianças. O segurança faz isso há nove anos e nunca mais teve notícias de acidentes. “Mesmo em horário de maior movimento, o trânsito flui muito bem. Os carros respeitam o fluxo, andam de vagar e eu nunca presenciei uma batida”.

Segundo a vizinhança, pelo menos um acidente por semana era registrado na via antes da rotatória ser instalada, em 2011. Agora, os moradores do Hugo Lange costumam celebrar cada ano sem acidente com uma reunião informal entre os moradores das ruas Jaime Balão e Fernandes de Barros. “Não dá para considerar que seja uma festa de aniversário, mas o motivo para celebrar é grande”, comemora Cleriz Stadler.

A Setran afirmou ainda que não havia nenhuma rotatória igual em Curitiba e que não é em todo lugar que a iniciativa tem sucesso, pois é necessário o respeito dos fluxos e preferenciais, o que deu certo no caso do Hugo Lange. Experiências da Setran em outros locais não tiveram o mesmo resultado e, por isso, há a necessidade do estudo do Departamento de Engenharia para propor as soluções viáveis e legais para cada caso.