O interrogatório dos réus do caso do jogador Daniel Correia Freitas, que deveria ter ocorrido no mês passado, será retomado nesta quarta-feira (4), no Fórum de São José dos Pinhais. O adiamento ocorreu depois de um pedido da defesa de Edison Luiz Brittes Júnior (que também defende Allana e Cristiana).

Como ainda havia testemunhas a serem ouvidas, o advogado Cláudio Dalledone Júnior, defensor da família Brittes, solicitou que elas fossem ouvidas primeiro para, por último, ocorrer o interrogatório. O procedimento faz parte do rito processual, para garantir que os réus possam se defender amplamente de todas as acusações que vierem por parte das testemunhas.

Dalledone quer ouvir o jornalista de uma emissora de TV de Curitiba, para que ele explique se teve acesso ao celular de Cristiana Brittes, esposa de Edison – o aparelho estava numa empresa de assistência técnica antes dela ser presa – e se ele disseminou algum conteúdo que havia no celular. Depois desta oitiva, devem começar as falas dos réus.

Ordem

No mês passado, advogados dos réus e a juíza Luciani Regina Martins de Paula, da 1ª Vara de Criminal de São José dos Pinhais, conversaram sobre quem seria ouvido primeiro. Definiu-se que antes serão interrogados os réus soltos: Evellyn Brisola Perusso, que responde em liberdade desde o início, e Allana, filha de Edison, que foi solta no dia 7 de agosto por um habeas corpus que Dalledone conseguiu no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Depois delas começam as oitivas dos réus presos. Ainda não se sabe exatamente qual será a ordem. Normalmente, segue-se a ordem apresentada na denúncia do Ministério Público – “documento” que “dá início” à ação penal. Mas acredita-se que, por Edison ser réu confesso do homicídio do jogador e dizer que o cometeu sozinho, é possível que seu defensor solicite que ele seja interrogado por último, para que possa se defender de todas as acusações que vierem por parte dos outros réus: David Willian Vollero da Silva, Eduardo Henrique Ribeiro da Silva e Ygor King.

Cristiana em liberdade

A defesa de Cristiana Brittes, esposa de Edison, também solicitou à juíza a soltura da ré, na semana passada, alegando que ela não apresenta nenhum “risco para o andamento do processo”. Apesar dos procedimentos processuais serem todos eletrônicos hoje em dia, o pedido ainda não havia chegado à juíza e há a expectativa que Luciani aprecie a solicitação de soltura de Cristiana ao fim dos interrogatórios.

Impermeabilização é proibida em imóveis de Curitiba; multa chega a R$ 10 mil