Apesar do frio dos últimos dias, inverno ainda não começou. A estação mais fria do ano inicia oficialmente às 0h32 da próxima segunda-feira, dia 21 de junho e termina às 16h21 do dia 22 de setembro. Mas como serão os dias de inverno, nos próximos meses? Será que teremos as tão esperadas chuvas ou ainda mais “friaca”? O Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar) dá pistas com a previsão do tempo para a estação.

VIU ESSA? Stark, tradicional centro esportivo de Curitiba, encerra atividades após quase 30 anos de jogos e campeonatos

No primeiro dia do inverno, segundo o Simepar, o tempo ficará parcialmente nublado nas regiões Norte e Noroeste, com chuvas a partir da tarde no Litoral, em Curitiba e nas regiões Central, Sul, Oeste e Sudoeste. O dia deve ser ensolarado apenas no Norte Pioneiro e nublado em Guaíra e Campos Gerais. A temperatura mínima prevista no estado é de 8 ºC em União da Vitória. A máxima deve atingir 26 ºC em Paranavaí e Jacarezinho.

Nos próximos dias, no entanto, a tendência é de queda na temperatura no Paraná. As médias mínimas da estação vão girar em torno de 10° C. “Para este inverno são esperadas ondas de ar frio e seco”, observa o meteorologista do Simepar, Reinaldo Kneib.

LEIA AINDA – Por que tantos rompimentos de adutoras da Sanepar? Falhas viram motivo de piada entre internautas!

Também serão frequentes, segundo ele, episódios de frio intenso por vários dias consecutivos, incluindo a formação de geada. Podem ocorrer ainda alguns veranicos – períodos de tempo seco e quente – mais frequentes a partir da segunda quinzena de agosto.

Já a temperatura média deve seguir o padrão típico da estação, exceto nos extremos Oeste e Norte, com picos mais quentes: “Na fronteira com o Paraguai e nas divisas com Mato Grosso do Sul e São Paulo as temperaturas devem variar de próximas a ligeiramente acima da normal climatológica”, afirma o meteorologista.

E a chuva?

O cenário climático apontado pelo Simepar indica que o volume de chuva ficará entre próximo e abaixo da normalidade, à exceção do Litoral, dentro do habitual. O Paraná já vive um cenário de emergência hídrica e rodízios de abastecimento. Em Curitiba e nas cidades de região metropolitana, o rodízio está acontecendo desde março de 2020.

LEIA TAMBÉM – Cataratas do Iguaçu estão “secas” e com apenas um quinto da vazão considerada normal

Mas os fenômenos El Niño e La Niña não se manifestarão neste inverno. Após influenciar o clima nos últimos meses no Paraná, segundo o Simepar, La Niña dissipou-se sobre o Oceano Pacífico Equatorial. Alguns modelos meteorológicos preveem um repique com fraca intensidade na primavera e no início do verão.

No Paraná, julho e agosto são os meses mais secos do ano. A partir da segunda quinzena de setembro, começam as alterações no regime de chuvas típico de inverno, com o desenvolvimento de áreas de instabilidade causado pelo aquecimento mais acentuado da atmosfera entre o Centro-Oeste brasileiro e o Paraguai.

LEIA TAMBÉM – Obras na Linha Verde entre o Tarumã e o Bairro Alto devem terminar em julho

A estação caracteriza-se ainda pelo ingresso de massas de ar frio e seco no território paranaense, causando quedas bruscas nas temperaturas num intervalo entre 24 e 48 horas. Associado a massas de ar de origem polar, o frio intenso favorece a formação de geadas em boa parte do estado. Também é comum a ocorrência de nevoeiro.

Geada

Sobre a formação de geadas, até o final do inverno, o Simepar emite as previsões para todas as regiões por categorias de intensidade – fraca, moderada ou forte – com antecedência de 72, 48 e 24 horas, serviço que ajuda principalmente os produtores rurais do estado.

O serviço Alerta Geada tem espaço dedicado na página www.simepar.br e envia mensagens a usuários cadastrados por meio do aplicativo WhatsApp. Interessados devem inserir o número (43) 3376-2248 nos contatos e enviar a seguinte mensagem: “Quero receber o Alerta Geada”.

Médias históricas

Confira os valores das médias históricas de chuva (faixa de variação), temperaturas mínimas e máximas para cada região do Paraná nos meses de julho, agosto e setembro: