Diego Santos, 19 anos, e Pablo Furman, 20, foram mortos em confronto com a polícia na manhã desta sexta-feira (3). As mortes aconteceram durante uma operação desencadeada pela delegacia de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), com o objetivo de prender os suspeitos do latrocínio (roubo com morte) que vitimou o tenente Fábio Alessandre, no dia 22 de fevereiro.

De acordo com o delegado Cassiano Aufiero, a investigação envolveu a Polícia Civil (PC), Policia Militar (PM), o Departamento de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública (Diep) e o Ministério Público (MP). “Tivemos acesso às imagens de segurança de residências e comércios da região e vimos que os autores utilizaram um aparelho celular para fazer uma ligação. Então, fizemos uma varredura, com autorização judicial, de todos os aparelhos telefônicos utilizados naquele horário e local, chegando a um numeral que nos levou ao endereço no bairro CIC, onde encontramos os suspeitos e também a Paraty utilizada na fuga”, disse.

Um dos suspeitos era Diego, que foi reconhecido pelos parentes da vítima como o autor dos disparos que tirou a vida do tenente. Por isso, a equipe solicitou a prisão dele. “Também solicitamos a prisão do Pablo e do Willian Carvalho dos Santos, que deram fuga ao autor, e ainda de um menor frequentador da residência, que também pode ter tido participação”.

No entanto, o cumprimento dos mandados de prisão não ocorreu como planejado. “Nossa intenção é sempre trazer os presos à delegacia, mas somente o William e o adolescente não ofereceram resistência”, informou.

Segundo ele, no momento da prisão de Diego na Rua Sônia Budziak, em Araucária, o suspeito utilizou uma arma de calibre 38 para atirar contra a polícia. “Inclusive, essa pode ter sido a arma usada na morte do tenente. Já solicitamos a balística para comprovar”.

Além dele, Pablo também ofereceu resistência na Rua Ildefonso Clemente Puppi, no CIC, e morreu durante o confronto. “Não temos detalhes a respeito de como sucedeu o confronto, mas sabemos que esses bandidos ficam com a arma embaixo do travesseiro se for preciso, e não pensam duas vezes antes de usá-la”, comentou o delegado.

Latrocínio

O tenente Fabio Alessandre da Silva foi morto em um assalto por volta das 21h do dia 22 de fevereiro. Inicialmente, a polícia trabalhou com a possibilidade de execução, já que ele havia sido assaltado alguns dias antes. No entanto, isso foi descartado pela PC.

O crime aconteceu na casa da família, no bairro Vila Elisabeth, em Campo Largo. O tenente estava com o filho na frente de casa quando bandidos armados os renderam, os levaram até o interior da casa e atiraram contra o militar.

Os socorristas do Siate chegaram ao local e tentaram salvar a vida do policial, mas ele morreu a caminho do Hospital Nossa Senhora do Rocio.

Agora, os suspeitos maiores de 18 anos responderão por latrocínio, formação de quadrilha e porte ilegal de arma. Já o garoto foi conduzido à Delegacia do Adolescente e será ouvido. A investigação ainda continua em busca de mais um suspeito.