Lockdown, termo utilizado para o protocolo de emergência que impede a circulação total de pessoas durante uma epidemia, como a que vivemos do coronavírus, não está descartado em Curitiba. Segundo a secretária municipal de saúde, Márcia Huçulak, este ainda não é o momento para a medida extrema. Mas ela pode ser tomada caso a cidade tenha um aumento expressivo de casos de covid-19.

Ou seja, todos terão que fazer a sua parte no isolamento social para que a transmissão não chegue a este nível, que é de fato o termo quarentena – o isolamento obrigatório. Até o boletim de segunda-feira 97), Curitiba registra três mortes por coronavírus, 138 casos e 71 pacientes que se recuperaram.

LEIA MAIS – Venda de tecidos pra máscaras caseiras do coronavírus dispara em Curitiba

“O que a gente pede e insiste são as medidas de distanciamento social. Isso faz a diferença. Quanto menos as pessoas com quadros [gente infectada, com sintomas ou não] circularem, mais isso vai nos ajudar no achatamento do número de casos”, eressalta a secretária.

Corrida de longa distância

A médica Marion Burger, infectologista da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) que está à frente das ações de prevenção em Curitiba, ressaltou que o isolamento é a única vacina e remédio para o covid-19. E alerta que estamos em uma corrida de longa distância, tipo maratona.

“O fechamento total é uma medida extrema e não devemos tomar agora, pois quando for realmente necessária, nós não teremos mais gás na sociedade. O lockdown tem um prazo que a sociedade aguenta”, alerta a médica.

Por isso, Marion ressalta que as medidas tomadas agora, de isolamento social, são aquelas que devem persistir nos próximos meses. “Estamos no outono e daqui a pouco chega o inverno. O achatamento da curva não é por uma semana, é por meses que essa circulação precisa ser contida”, explica a infectologista.