A morte de Jaime Lerner, na madrugada desta quinta-feira (27), aos 83 anos, em decorrência de doença renal crônica, encerra a obra em vida de uma pessoa que transformou mundialmente Curitiba em um exemplo de planejamento urbano. Obras que modificaram o dia a dia da capital paranaense como a tradicional Rua XV – que passou a ser exclusiva aos pedestres, as canaletas dos ônibus, Jardim Botânico, Ópera de Arame e outros espaços populares. O legado do prefeito e governador do Paraná ficou eternizado para o futuro.

Nascido numa família de imigrantes judeus, Jaime Lerner estudou em escolas públicas até o secundário. Obteve sua graduação pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal do Paraná, em 1964. No mesmo ano, casou com Fani Lerner, com quem teve as filhas Andrea e Ilana. Em 1965, Em Lerner participou da criação do Instituto de Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), responsável pelo Plano Diretor da cidade.

LEIA TAMBÉM – Morre Paulo Mendes da Rocha, um dos principais expoentes da arquitetura brasileira

Em 1971, entrou na política e filiou-se a Aliança Renovadora Nacional (ARENA) e no mesmo ano foi nomeado prefeito de Curitiba. Na primeira gestão, Lerner e equipe queriam uma cidade que combinasse grandes estruturas de trabalho com a rotina dos curitibanos e que estrutura evitasse o crescimento desordenado, desafogando o movimento no Centro. Nesse sentido, efetuou uma obra polêmica que causou críticas ao proibir a circulação de veículos na Rua das Flores (Rua XV) e dar exclusividade aos pedestres. Com o passar do tempo, a rua se transformou em um dos principais cartões postais de Curitiba.

Outra importante obra de seu primeiro mandato foi a abertura de vias exclusivas para os ônibus urbanos (chamados “expressos”), em setembro de 1974. Jaime Lerner aumentou as áreas verdes da capital ao controlar enchentes em alguns pontos da cidade ao valorizar os parques Barigui, São Lourenço, Tingui, Tanguá e mesmo a Universidade Livre do Meio Ambiente (Unilivre) contaram com a participação do urbanista, que tinha enorme preocupação com o descarte do lixo.

VIU ESSA? Livro que retrata vida noturna da Rua Cruz Machado ganha nova edição em junho

O programa “Lixo que não é Lixo”, de coleta seletiva, surgiu na década de 1990. Os caminhões da prefeitura começaram a recolher material reciclável e distribuir nas cooperativas que filtram e revendem os componentes. Nas comunidades carentes, o projeto Compra do Lixo ajudou Curitiba a receber um prêmio da Organização Nações Unidas (ONU) para o Meio Ambiente (1990). Com esse projeto, Curitiba ganhou simbolicamente o título de cidade verde.

Outras obras, como a conservação do patrimônio histórico no Centro de Curitiba, a Rua 24 Horas, Ópera de Arame e Jardim Botânico fazem parte do legado de Jaime Lerner que, por três vezes foi prefeito (1971–75, 1979–84 e 1989–93) e governador do Paraná por duas vezes (1995–1998 e 1999–2002).

LEIA TAMBÉM – Ratinho Jr promete “pegar pesado” no combate a festas clandestinas

Na gestão como governador, Lerner buscou uma política de atração de investimentos produtivos para transformar o estado em um novo pólo industrial, sem esquecer o lado social. Essa preocupação rendeu ao Governo do Paraná o prêmio Criança e Paz da Unicef, para os programas “Da Rua para a Escola”, “Protegendo a Vida” e “Universidade do Professor. Ainda como governador, algumas ações receberam críticas como a tentativa de privatizar a Copel, empresa responsável pelo abastecimento de energia elétrica no Paraná

Em 2011, uma decisão do Superior Tribunal de Justiça condenou Jaime Lerner a três anos e seis meses de prisão, mais uma multa, pelo crime de dispensa ilegal de licitação na construção de estrada no Paraná. Mesmo tendo sido condenado, Jaime Lerner não precisou cumprir a pena devido a prescrição do crime e por ter mais de 70 anos na época

Últimos anos

Nos períodos em que não ocupou cargos públicos, Jaime Lerner desenvolveu planos urbanísticos para várias cidades do Brasil, como Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Salvador, Aracaju, Natal, Goiânia, Campo Grande e Niterói. Nos últimos anos, fez inúmeros trabalhos em Santa Catarina, especialmente em Balneário Camboriú.

Quanto à saúde, em outubro de 2020, Lerner foi internado para a retirada do apêndice. Em março de 2021, teve a covid-19, mas se recuperou em casa. O falecimento ocorreu às 5h10 desta quinta-feira e foi confirmado em nota pelo Hospital Universitário Evangélico Mackenzie: “É com imenso pesar que o Hospital Universitário Evangélico Mackenzie informa que às 5h10 desta quinta-feira, 27 de maio, o ex-governador Jaime Lerner veio a óbito em decorrência de complicações de doença renal crônica. Lamentamos a perda e desejamos conforto aos familiares, em nome do Senhor”.

LEIA AINDA – Bolsonaro x Lula: veja quem está na frente nas pesquisas para as eleições 2022

O velório será na capela do Cemitério Israelita do Água Verde, em Curitiba. O sepultamento está previsto para 15h desta quinta-feira no Cemitério Israelita do Santa Cândida. Velório e sepultamento serão restritos, pelas medidas de isolamento contra o coronavírus.